Veja também

DIVERSOS

Quem matou meu pai, de Édouard Louis | Resenha

Um manifesto literário e íntimo. Com menos de 100 paginas, Édouard Louis constrói um texto híbrido, que combina críticas sociais à desigualdade e à sociedade opressora em que vivemos, com suas memórias, em especial a sua conturbada relação com seu pai, que não aceitava um filho gay. Se a autoaceitação de uma pessoa da comunidade LGBTQIA+ já é um processo difícil e dolorido, enfrentar esses medos com a repulsa familiar é uma tarefa muito mais sofrida.

NOTA 9/10

DIVERSOS

Uma história desagradável, de Fiódor Dostoiévski | Resenha

Diferentemente do seus romances mais densos, que se aprofundam nos conflitos e angústias dos personagens, “Uma história desagradável” é uma obra curta e que revela um Dostoiévski mais cômico e menos psicológico. E o que começa com uma premissa bem humorada, acaba levando para um desenvolvimento desagradável - para não dizer caótico.

NOTA 9/10

DIVERSOS

NOTA 8/10

Água fresca para as flores, de Valérie Perrin | Resenha

Esse foi um dos livros que virou prioridade de leitura de tantas recomendações que passei a receber de vocês! Depois de fazer muito sucesso ma Europa, o livro chegou no Brasil e conquistou muitos leitores. A premissa me deixou ainda mais interessado com a obra da autora francesa: mergulhar na história um pouco enigmática de uma zeladora de cemitério.

Comecei e logo fui fisgado pela vida de Violette. Chegando aos seus 50 anos, a zeladora começa a, aos poucos, relembrar o seu passado, como se fosse nos dando pistas dos capítulos de sua história que a levaram até aquele estilo de vida peculiar. A infância como órfã e um relacionamento conturbado parecem explicar um pouco das dificuldades de uma vida sofrida. Mas a impressão que fica no leitor é que há algo mais visceral, que demora a nos ser contado.

Em paralelo, Violette é supreendida pela visita de um policial no cemitério. Sem dar muitas explicações, ele insiste em deixar as cinzas da mãe sobre um túmulo desconhecido. Como faz com todos que aparecem em sua casa, a zeladora recebe o policial e o acolhe, dando espaço para ele compartilhar a sua história e suas angústias.

A partir desse momento, a leitura acaba mudando um pouco de estilo, passando de uma narrativa mais sobre as memórias de Violette para uma história de suspense, em que o leitor é convidado a tentar descobrir mais do que haveria acontecido com a vida da zeladora e do policial. Para mim, o ritmo diminuiu e, ao final, senti que a leitura estava ficando mais arrastada. Ou seja, comecei gostando muito e terminei gostando menos do que esperava!

Mas ainda assim, tem muito leitor que se encantou com a obra e a experiência foi bem interessante. Também tem muitas reflexões ao longo da leitura que nos fazem sair marcando… Se a sinopse te interesse, vai com tudo!

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Campos obrigatórios são marcados*.

Nome*:

Email*:

Comentário*

Veja também

DIVERSOS

O Alienista, de Machado de Assis | Resenh

Publicada pela primeira vez em 1882, uma das principais obras de Machado de Assis surpreende pelo caráter atual dos temas nela tratados. Somos colocados diante da linha tênue que separa loucura e lucidez, onde uma epidemia de pessoas consideradas como impróprias para um convívio social saudável. E o abuso de quem tem o poder de decidir e separar aqueles que são considerados como sãos dos demais, sujeitos à segregação.

NOTA 10/10

DIVERSOS

O coração é um caçador solitário, Carson McCullers | Resenha

368 páginas. 2 meses de leitura. Parece muito tempo, né? E realmente foi um livro que me tomou mais dias do que o normal. E isso não significa que eu não gostei da leitura. Pelo contrário, foi uma experiência muito positiva. E isso é bom para pensarmos o quanto a preocupação em ler rápido pode atrapalhar uma leitura. Eu sempre falo: cada livro tem um ritmo, a depender do leitor.

NOTA 9/10