Veja também

LIVROS, NÃO FICÇÃO

Pacientes que curam, de Julia Rocha | Resenha

Adoro livros que envolvem o universo médico e, por conta disso, já havia recebido várias indicações do livro da Julia Rocha, - mulher, negra, mãe, cantora e que, além de tudo isso, também é médica da família. Em textos curtos, a autora compartilha com os leitores a sua vivência como médica do Sistema Único de Saúde (SUS - aliás, viva o SUS!).

NOTA 9/10

FICÇÃO, LIVROS

Violeta, de Isabel Allende | Resenha

Já imaginou ler a história de alguém que nasceu em meio a gripe espanhola, na década de 20, e viveu para testemunhar o mundo paralisado pela pandemia em pleno 2020? Bom, é justamente essa linha de tempo contemplada por “Violeta” que, ainda por cima, conta com a escrita fantasiosa de Allende.

NOTA 9/10

LIVROS

NOTA 9,5/10

Pedro Páramo, Juan Rulfo | RESENHA

Considerado o romance mais aclamado da literatura mexicana, Pedro Páramo é uma leitura única e que exige do leitor. A sinopse e as pouco mais de 100 páginas podem deixar o leitor em dúvida sobre a real força desse romance. Na verdade, nem se pode falar tanto do enredo do livro sem correr o risco de dar grandes spoilers – ou de tirar do futuro leitor a curiosidade no decorrer das páginas. O que posso adiantar desse romance é que ele tem início com uma promessa. No leito de morte de sua mãe, Juan Preciado prometer sair em busca de seu pai, Pedro Páramo. Ao chegar na pequena cidade, o protagonista logo descobre que Pedro Páramo já faleceu faz tempo e que, aparentemente, todos na cidade se foram. No entanto, um clima de assombro e incertezas começa a tomar conta do enredo, ficando claro para o leitor que naquela cidade – repleta de ecos e vozes – nada é o que parecer ser.

E é esse mistério por trás da obra que vai, aos poucos, revelando a genialidade de Juan Rulfo, sem que ele precise se valer de uma narrativa complexa ou de uma escrita rebuscada. Pelo contrário! A escrita é muito econômica, tendo o autor se preocupado em cortar ao máximo frases e palavras, para restar apenas o essencial. Tanto isso é verdade, que algumas das passagens ficam em aberto, cabendo ao leitor a tarefa de ligar as pontas soltas com sua própria imaginação.
O cenário em que se passa a obra também é muito simples. É um ambiente árido, quente e rural. Mas mesmo em meio a essa simplicidade, a narrativa consegue despertar no leitor a reflexão sobre questões relevantes e delicadas, como o papel da igreja, coronelismo, incesto, miséria e amor não correspondido.
Foi por meio dessa obra que Juan Rulfo teria iniciado o realismo mágico, técnica que inspirou muito as obras de Gabriel García Marquez e outros tantos escritores.
Esse é, com certeza, um livro que precisa ser relido. Você termina se fazendo perguntas e tentando construir as suas próprias versões da história.
Recomendo muito! Ler Pedro Páramo foi uma experiência engrandecedora!

Trecho: “Esta cidade está cheia de ecos. Parece até que estão trancados no oco das paredes ou debaixo das pedras.”

Editora: BestBolso

Ano de publicação: 2008

Número de páginas:  140

Link de compra: https://amzn.to/2SHCiIQ

 

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Campos obrigatórios são marcados*.

Nome*:

Email*:

Comentário*

ANA disse:

Nossa! Bons demais: o livro e o comentário.

Veja também

DIVERSOS

“Nu, de botas”, de Antonio Prata

Escolhi esse livro depois de pedir indicações para vocês de uma leitura mais leve, já que eu vinha em uma sequência de obras mais densas e impactantes.

NOTA 8,5/10

DIVERSOS

10 leituras para 2019

Pela primeira vez resolvi escolher 10 livros que estão na minha estante para serem lidos no próximo ano.

NOTA