Veja também

LIVROS, NÃO FICÇÃO

Pacientes que curam, de Julia Rocha | Resenha

Adoro livros que envolvem o universo médico e, por conta disso, já havia recebido várias indicações do livro da Julia Rocha, - mulher, negra, mãe, cantora e que, além de tudo isso, também é médica da família. Em textos curtos, a autora compartilha com os leitores a sua vivência como médica do Sistema Único de Saúde (SUS - aliás, viva o SUS!).

NOTA 9/10

FICÇÃO, LIVROS

Violeta, de Isabel Allende | Resenha

Já imaginou ler a história de alguém que nasceu em meio a gripe espanhola, na década de 20, e viveu para testemunhar o mundo paralisado pela pandemia em pleno 2020? Bom, é justamente essa linha de tempo contemplada por “Violeta” que, ainda por cima, conta com a escrita fantasiosa de Allende.

NOTA 9/10

DIVERSOS

NOTA

Livro físico ou eReader?

Livro físico ou eReader? É bem comum receber perguntas sobre os eReaders, se vale a pena o investimento e se é fácil de se acostumar! Eu tenho um eReader há um certo tempo, mas confesso que não consigo me desapegar do livro físico (na verdade, quase não uso meu Kindle). Digo desapegar porque, na minha opinião, os eReaders têm de fato mais “vantagens” e são uma excelente alternativa para quem tem o hábito de ler. São mais leves (acho que a foto acima deixa isso bem claro), mais práticos de levar para qualquer lugar, costumam ter uma bateria que dura bastante, possuem dicionários embutidos e, normalmente, os livros digitais são mais baratos. Mas então, por que eu continuo com os livros físicos? Acho que não é uma decisão muito racional… É meio clichê falar, mas eu gosto de ter o livro comigo, sentir o progresso da leitura com o avançar das páginas. Gosto de poder entrar em uma livraria, folhar os livros e sair com um novo comigo. Gosto de terminar um livro, colocar de volta na estante e, em seguida, ficar procurando a próxima leitura (até porque meu quarto está quase virando uma livraria, kkkk).

Além disso, apesar de também ser possível marcar as partes que eu mais gosto no livro digital, prefiro colocar os meus  post-its e  – mesmo que eu nunca volte para ler o trecho marcado – poder ver que eles estão lá! Às vezes, quando terminava um ebook, ficava com a sensação que eu não tinha de fato lido o livro ou que, por não tê-lo fisicamente, iria esquecer em breve! Acho que são manias, mas tenho certeza de que não sou o único. Pelos perfis que sigo aqui no Instagram, percebo que tem muita gente que ainda não conseguiu mudar para o eReader. Para mim, não é nem questão de conseguir, eu simplesmente não quero deixar de ler os livros físicos, mas não ignoro a possibilidade de essa minha opinião mudar mais para frente.

Então, quando me perguntam se eu recomendo comprar um eReader, a resposta é sempre positiva! Acho que têm muitos aspectos positivos e se você não liga tanto para essas manias, a escolha fica ainda mais fácil. Já em relação ao modelo do eReader, os mais famosos são o Kindle, Kobo e Lev. Na época em que comprei meu primeiro Kindle, dei uma boa pesquisada e cheguei à conclusão de que ele era de fato o melhor – apesar de ser o mais caro. Mas também nunca tive nenhum dos outros para poder confirmar essa afirmação.

E vocês?

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Campos obrigatórios são marcados*.

Nome*:

Email*:

Comentário*

Larissa Pandolfo disse:

Eu sempre tive muita dificuldade em ler coisas digitais, desde livros que sempre quis ler a materiais de estudo, mas estou surpresa do tanto que gostei do Kindle, minhas leituras tem sido mais rápidas e o custo benefício é muito bom, mas como também tenho manias, porque tenho uma mini biblioteca em casa e adoro ver os livros na estante, eu sou bem dividida, 50% kindle, 50% livro físico.

Veja também

LIVROS

O sol na cabeça, Geovani Martins

Com a proposta de trazer ao leitor 13 contos sobre a infância e adolescência nas favelas cariocas, o livro de estreia de Geovani Martins, nascido em Bangu e criado no Vidigal, vem sendo vendido como um novo fenômeno literário.

NOTA 6/10

LIVROS

O voo da guará vermelha, Maria Valéria Rezende

Mais uma leitura de março, mês que resolvi ler apenas autora mulheres.

NOTA 8,5/10