Veja também

DIVERSOS

O fim de Eddy, de Édouard Louis | Resenha

Romance autobiográfico que fez bastante sucesso na França, “O fim de Eddy” retrata as dificuldades e conflitos internos vividos por um garoto que ainda questiona a sua sexualidade...

NOTA 8/10

DIVERSOS

Meu pequeno país, de Gaël Faye | Resenha

Se eu pudesse resumir esse livro em apenas um frase, seria: a dureza da guerra na perspectiva de uma criança. Gabriel, um narrador de apenas 10 anos, nos transporta para a guerra civil que assolou Ruanda, no início de 1992...

NOTA 8,5/10

CLÁSSICOS, FICÇÃO

NOTA 8,5/10

Gente pobre, Fiódor Dostoiévski

Na verdade, essa ideia é totalmente falsa e vou tratar mais especificamente sobre literatura russa em um post específico. É que antes de começar essa resenha, só queria deixar bem claro que a literatura russa é sim acessível e muito atual, o que fica evidente com a leitura dessa obra.

“Gente pobre” foi o primeiro romance de Dostoiévski e, já na época da publicação, foi responsável por trazer grande notoriedade ao autor. O romance é escrito em forma epistolar, isto é, por meio de cartas trocadas entre Makar Diévuchkin, um funcionário público já em sua velhice, e sua vizinha Varvara, uma jovem orfã. E ao longo da cartas, o que une os personagens é a pobreza, a pobreza no seu sentido material: é a falta de dinheiro para comprar comida, para comprar roupas decentes, isto é, para ter uma vida digna. E é justamente por meio de suas cartas que os personagens compartilham suas privações, como se recorressem um ao outro e a valores ricos – como a amizade e o cuidado pelo próximo – para conseguir sobreviver a essa falta material.

Apesar de ser seu romance de estreia, a obra já revela a genialidade do autor que, com apenas 25 anos (!!), consegue se aprofundar no íntimo do ser humano, de maneira extremamente sensível. Como já disse outras vezes, romance epistolar não é um gênero que me agrada tanto, pois muitas vezes se torna cansativo. Assim, no caso de Gente pobre, até por ser um livro denso, sugiro uma leitura mais lenta, feita aos poucos. Lido para o incrível projeto da @isavichi !

“(…) uma pessoa pobre é pior que um trapo e não é digna de nenhum respeito da parte de ninguém, seja lá o que for que escrevam.”

Dica: em uma parte do livro, os personagens fazem bastante referência ao conto “O Capote”, de Gogól. Por isso, para quem se interessar, indico a leitura do conto – que, por sina, é excelente – antes de iniciar o livro.

Se você gostou, compre o livro clicando no link e ajude a página a se manter: https://amzn.to/2rKPD83

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Campos obrigatórios são marcados*.

Nome*:

Email*:

Comentário*

alexandre cincinato disse:

Cliquei no link para ver preço e frete, bom preço. Aguardarei, entretanto, uma daquelas “liquidações” promovidas pelas livrarias que frequento…

Veja também

FICÇÃO

Canção de ninar, Leïla Slimani

Quando um livro começa a ficar muito falado e subir na lista de mais vendidos, como vem acontecendo com a obra de Slimani, sempre vem aquela dúvida: será que é puro hype (aquela obra que é alvo de um bom marketing) ou o livro vale mesmo a pena? 

NOTA 8/10

DIVERSOS

#DesafioBookster2018 – Abril

Antes de começar o mês, venho aqui apresentar o livro escolhido, assim como algumas sugestões para quem ainda não montou sua lista! Esse semana terminei a leitura de março e já adianto que foi uma dos melhores livros do ano…

NOTA