Veja também

FICÇÃO, LIVROS

Mandíbula, de Mónica Ojeda | Resenha

ais periféricos do mercado editorial. É importante valorizar quando editoras fazem esse movimento de trazer obras pouco conhecidas, o que é o caso de “Mandíbula”, da equatoriana Mónica Ojeda, que agora povoa as livrarias após a publicação da @autentica.contemporanea !

NOTA 7/10

FICÇÃO, LIVROS

A cabeça do santo, de Socorro Acioli | Resenha

Quando o assunto é literatura, tem duas coisas que amo: Gabriel García Márquez e realismo mágico (obras que contêm uma visão realística do mundo, mas com elementos mágicos). A obra da autora brasileira Socorro Acioli reúne os dois, tendo desenvolvido “A cabeça do santo” em uma oficina ministrada por ninguém menos que o incrível Gabo (apelido para os íntimos, hehe).

NOTA 9/10

FICÇÃO

NOTA 8/10

Canção de ninar, Leïla Slimani

Comecei a ler Canção de ninar já com esse receio, mas com a expectativa de ser um daqueles suspenses que prendem muito a atenção. Logo na primeira página, o leitor já recebe aquele soco no estômago. Duas crianças são brutalmente assasinadas por sua babá e os pais não conseguem compreender o motivo para esse crime cruel.

No entanto, a partir das próximas páginas, confesso que o ritmo desandou. Não dá para negar que o livro prende a atenção do leitor, só que, na minha opinião, a história não passa de um bom suspense, com uma história intrigante. Mas não é aí que o livro se sobressai e, muito menos, que tenha levado à autora a vencer o Goncourt, principal prêmio literário da literatura francesa. Na verdade, o que tira Canção de ninar da mera categoria de um “bom suspense” é a crítica social, com um toque de ironia, que permeia a narrativa e que foi muito bem abordada pela jovem escritora franco-marroquina. É o conflito interno de uma mãe que não quer abrir mão de sua carreira profissional e que recorre a ajuda de uma babá, mas que sofre todos os dias com o estigma da mãe ausente. É a visão de um pai que enxerga na mulher a obrigação de cuidar da casa e dos filhos. É o preconceito da família de classe média com os imigrantes que vêm de países pobres para exercer aquelas funções vistas como “menos dignas”. É a falta de importância dos sentimentos e dos problemas de uma babá, que deve se preocupar apenas em fazer um bom trabalho.

Ou seja, o livro não é puro hype! Recomendo a leitura, mas não como uma indicação de um ótimo suspense – já que, nesse ponto, ele não é fora da curva – e sim como uma obra que consegue ser instigante e, ao mesmo tempo, tecer uma boa crítica social, abordando temas extremamente atuais. A escrita é simples e muito rápida, um livro para ser lido em poucos dias.

Se você gostou, compre o livro clicando no link e ajude a página a se manter: https://amzn.to/2rT1YGe

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Campos obrigatórios são marcados*.

Nome*:

Email*:

Comentário*

Veja também

DIVERSOS

#DesafioBookster2018 – Abril

Antes de começar o mês, venho aqui apresentar o livro escolhido, assim como algumas sugestões para quem ainda não montou sua lista! Esse semana terminei a leitura de março e já adianto que foi uma dos melhores livros do ano…

NOTA

CLÁSSICOS, NÃO FICÇÃO

Quarto de despejo: diário de uma favelada, Carolina Maria de Jesus

Os relatos da autora, que datam de 1955 até 1960, trazem o cotidiano miserável e caótico das favelas, em especial da Favela do Canindé, em São Paulo.

NOTA 9/10