Veja também

FICÇÃO, LIVROS

Mandíbula, de Mónica Ojeda | Resenha

ais periféricos do mercado editorial. É importante valorizar quando editoras fazem esse movimento de trazer obras pouco conhecidas, o que é o caso de “Mandíbula”, da equatoriana Mónica Ojeda, que agora povoa as livrarias após a publicação da @autentica.contemporanea !

NOTA 7/10

FICÇÃO, LIVROS

A cabeça do santo, de Socorro Acioli | Resenha

Quando o assunto é literatura, tem duas coisas que amo: Gabriel García Márquez e realismo mágico (obras que contêm uma visão realística do mundo, mas com elementos mágicos). A obra da autora brasileira Socorro Acioli reúne os dois, tendo desenvolvido “A cabeça do santo” em uma oficina ministrada por ninguém menos que o incrível Gabo (apelido para os íntimos, hehe).

NOTA 9/10

DIVERSOS

NOTA

#DesafioBookster2018 – Abril

– Mês: Abril – Categoria: Livro publicado na década de 1930
– Livro escolhido: Olhai os lírios do campo, Érico Veríssimo (1938)

O Desafio Book.ster 2018 foi lançado com o objetivo de conhecer, seguindo uma ordem temporal, obras clássicas publicadas no século XX. A ideia é simples: 12 livros, 12 décadas.

Antes de começar o mês, venho aqui apresentar o livro escolhido, assim como algumas sugestões para quem ainda não montou sua lista! Esse semana terminei a leitura de março e já adianto que foi uma dos melhores livros do ano… Logo, logo terá resenha!
Como os três primeiros meses tinham ficado com escritores europeus, estava sentindo falta de um escritor/escritora nacional. Então, em abril escolhi um livro de um dos maiores escritores brasileiros: Érico Veríssimo. E para a supresa de alguns, esse também será meu primeiro contato com o autor. Apesar de Olhai os lírios do campo não ser sua obra mais conhecida, foi o livro que deu repercussão nacional e internacional para Veríssimo. O próprio autor chegou a afirmar que “depois do aparecimento de Olhai os lírios do campo é que pude fazer profissão da literatura”.
O livro promete trazer reflexões sobre os valores da vida. Eugênio Pontes, um estudante de medicina, de origem humilde e que batalha muito para se formar como médico, decide se casar com uma jovem rica e, assim, ingressa na alta sociedade. No entanto, essa escolha acaba exigindo de Eugênio certos sacrifícios: sacrifício de seus ideias, de sua família e de seu verdadeiro amor. Depois que eu ler, conto para vocês o que achei! Quem aí já leu?

Além da obra de Veríssimo, indico os seguintes livros publicados na década de 1930: O quinze, Rachel de Queiroz (1930); Admirável mundo novo, Aldous Huxley (1932); Trópico de câncer, Henry Miller (1934); O garoto do riquixá, Lao She (1936); Capitães de areia, Jorge Amado (1937); e Vidas secas, Graciliano Ramos (1938); e As vinhas da ira, John Steinbeck (1939).
.
E você, já escolheu sua leitura de abril?

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Campos obrigatórios são marcados*.

Nome*:

Email*:

Comentário*

Veja também

CLÁSSICOS, NÃO FICÇÃO

Quarto de despejo: diário de uma favelada, Carolina Maria de Jesus

Os relatos da autora, que datam de 1955 até 1960, trazem o cotidiano miserável e caótico das favelas, em especial da Favela do Canindé, em São Paulo.

NOTA 9/10

CLÁSSICOS, FICÇÃO

O sol é para todos, Harper Lee

Esse é um dos livros essenciais da literatura norte-americana.

NOTA 9/10