Veja também

DIVERSOS

Aos prantos no mercado, de Michelle Zauner | Resenha

No que você pensa que te faz pensar das pessoas amadas que já partiram? Para Michelle Zauner, a culinária coreana desperta suas memórias com sua mãe. Ao entrar em um supermercado especializado em comida asiática, a autora desaba. Olha ao seu redor e pensa: minha mãe poderia estar aqui. E junto com as lágrimas, vem a saudades.

NOTA 8/10

DIVERSOS

Fim, de Fernanda Torres | Resenha

Um grupo de 5 amigos cariocas que se conhecem na juventude e levam uma vida repleta de festas, relacionamentos e intrigas. Uma fase intensa, mas que não os prepara para os próximos capítulos de suas vidas, marcados pelas perdas, solidão e conflitos. Os amigos são muito diferentes um do outro e o seus destinos também os levarão para fins únicos.

NOTA Nota 8,5/10

DIVERSOS

NOTA Como considero a autora uma amiga, prefiro não dar nota.

As pequenas chances, de Natalia Timerman | Resenha

A preservação da memória daqueles que amamos e a busca pela história de quem antecedeu. É a partir de um texto pessoal, com are de autoficção, que Natalia nos apresenta esses temas tão sensíveis.

Tudo começa com um encontro não marcado: a protagonista, que leva o mesmo nome da autora, encontra o médico de cuidados palitivos que atendeu o seu pai nos seus últimos dias de vida. Um breve dialogo entre os dois desperta na protagonista as memórias da perda e dos impactos que um doença tão agressiva trouxe para as pessoas próximas do paciente. E quando a morte chega, a sua marca é sentida para sempre. Não adianta lutar, mas será que é possível nos reconciliarmos com a falta definitiva?

Quem já perdeu alguém próximo não consegue passar intocado pelas palavras da autora. Seu texto desperta identificações em quem lê, como uma recordação de que com os livros encontramos um eco das dores que vivemos. E, ao compartilhar todo o ambiente familiar que circunda a personagem, essa dor acaba encontrando acolhimento.

Também gostei muito da segunda parte do livro, em que a autora parte em busca da história de sua família. Toda essa situação despertou em mim a vontade de procurar saber mais sobre aqueles que, apesar de compartilharem tanto comigo, são muito pouco conhecidos por mim.

Talvez por conhecer a autora e a similaridades com sua história, não conseguir ler o livro como um romance, mas sim como um texto autobiográfico. A relação dela com os acontecimentos nos dá a certeza de que muitos daqueles sentimentos vêm de experiências pessoais, o que aproxima o leitor. As alegrias, a saudade e a dor da ausência são reais e muito bem descritas. Livro lindo e sensível!

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Campos obrigatórios são marcados*.

Nome*:

Email*:

Comentário*

Veja também

DIVERSOS

Mau hábito, de Alana Portero | Resenha

Um dos maiores destaques da literatura espanhola em 2023 foi o romance de estreia de Alana Portero. A autora nos apresenta de forma realista e sensível as dificuldades e angústias enfrentadas por uma criança trans. Mas a narrativa vai além do sofrimento, oferecendo ao leitor passagens comuns da vida de uma criança e adolescente. Seus gostos, medos, curiosidades, descobertas, primeira paixão... É um romance de formação de uma garota que cresce em um bairro operário na Madrid da década de 80.

NOTA 10/10

DIVERSOS

#DesafioBookster2024 | Favereiro

Mês: Fevereiro
Sentimento: Amor
Livro: Felicidade conjugal, de Lev Tolstói

NOTA