Veja também

DIVERSOS

Quem matou meu pai, de Édouard Louis | Resenha

Um manifesto literário e íntimo. Com menos de 100 paginas, Édouard Louis constrói um texto híbrido, que combina críticas sociais à desigualdade e à sociedade opressora em que vivemos, com suas memórias, em especial a sua conturbada relação com seu pai, que não aceitava um filho gay. Se a autoaceitação de uma pessoa da comunidade LGBTQIA+ já é um processo difícil e dolorido, enfrentar esses medos com a repulsa familiar é uma tarefa muito mais sofrida.

NOTA 9/10

DIVERSOS

Uma história desagradável, de Fiódor Dostoiévski | Resenha

Diferentemente do seus romances mais densos, que se aprofundam nos conflitos e angústias dos personagens, “Uma história desagradável” é uma obra curta e que revela um Dostoiévski mais cômico e menos psicológico. E o que começa com uma premissa bem humorada, acaba levando para um desenvolvimento desagradável - para não dizer caótico.

NOTA 9/10

DIVERSOS

NOTA 9/10

O Diabo e outras histórias, de Liev Tolstói | Resenha

Falar em Tolstói pode dar um pouco de medo em alguns leitores. Eu mesmo tive receio de ler clássicos por muito tempo, acreditando que seriam livros difíceis ou que não fariam sentido para mim, sendo que literatura russa era uma escolha impensável. Se você pensa assim, confie em mim e dê uma chance. Mas comece aos poucos, por contos ou romances mais curtos, isso pode ajudar bastante. Fica uma dica aqui então de uma seleção incrível de contos de um dos maiores autores da literatura mundial.

Na minha opinião, ler Tolstói e se deparar com uma análise muito inteligente sobre as relações humanas e os diferentes papéis dos indivíduos de acordo com sua posição social. Nos textos dessa edição, traduzidos direto do russo, essa característica do autor fica bem evidente.

Gostei de todos os textos, o que nem sempre acontece em uma coletânea, sobretudo considerando que conto não é um gênero literário que eu costumo ler. Sou mais das novelas/romances, textos mais longos.

No conto que dá nome ao livro, vemos a história de um amor quase obsessivo e a culpa que segue o apaixonado pela traição. É o conflito entre desejo e moral. Em “Três mortes”, talvez o meu favorito, narra o destino que é comum a todos, mas que pode acontecer de formas diferentes, a depender de sua condição social.

“Kholstómer” é uma inteligentíssima crítica social a partir da relação e diálogos entre cavalos. Como é ser um diferente em uma sociedade que valoriza os iguais. Por fim, “Depois do baile”, o conto que menos me impressionou, é uma história sobre uma paixão que passa a ser questionada por conta de um conflito moral.

Leitura deliciosa e que, em poucas páginas, revela a genialidade do autor.

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Campos obrigatórios são marcados*.

Nome*:

Email*:

Comentário*

Veja também

DIVERSOS

Desafio Bookster 2023 | Junho

#DesafioBookster2023
Mês: Junho
Tema: Império Russo
Livro: A Filha do Capitão, de Aleksandr Púchkin

NOTA

DIVERSOS

Desafio Bookster 2023 | Maio

#DesafioBookster2023
Mês: Maio
Tema: Segunda Guerra Mundial
Livro: As Pipas, de Romain Gary

NOTA