Veja também

DIVERSOS

Quem matou meu pai, de Édouard Louis | Resenha

Um manifesto literário e íntimo. Com menos de 100 paginas, Édouard Louis constrói um texto híbrido, que combina críticas sociais à desigualdade e à sociedade opressora em que vivemos, com suas memórias, em especial a sua conturbada relação com seu pai, que não aceitava um filho gay. Se a autoaceitação de uma pessoa da comunidade LGBTQIA+ já é um processo difícil e dolorido, enfrentar esses medos com a repulsa familiar é uma tarefa muito mais sofrida.

NOTA 9/10

DIVERSOS

Uma história desagradável, de Fiódor Dostoiévski | Resenha

Diferentemente do seus romances mais densos, que se aprofundam nos conflitos e angústias dos personagens, “Uma história desagradável” é uma obra curta e que revela um Dostoiévski mais cômico e menos psicológico. E o que começa com uma premissa bem humorada, acaba levando para um desenvolvimento desagradável - para não dizer caótico.

NOTA 9/10

DIVERSOS

NOTA 7,5/10

Clara lê Proust, de Stéphane Carlier | Resenha

Quando você pensa em “Em busca do tempo perdido”, de Marcel Proust, o que lhe vem à cabeça? Um livro longo, detalhista e difícil? Então, a história criada pelo francês Stéphane Carlier vai te ajudar a desconstruir essa impressão.

Clara, a protagonista, vive em uma cidade francesa e trabalha em um pequeno cabeleireiro local. Sua rotina é comum, sem grandes acontecimentos, ao lado do namorado cuja beleza chama a atenção da dona do salão. Um dia, ela se vê diante de um presente um pouco inusitado que vai modificar os seus dias – e, quem sabe, o seu futuro. Trata-se do livro “No caminho de Swann”, primeiro volume de um dos maiores clássicos da literatura mundial, “Em busca do tempo perdido”.

Logo nas primeira páginas, Clara se vê fisgada pela forma como o autor descreve os cenários criados em sua narrativa. As cenas minuciosas despertam lembranças de sua infância e a protagonista fica fascinada com a habilidade do autor em despertar emoções apenas com as palavras.

E no decorrer das páginas vamos acompanhando essa relação de Clara com a obra. Confesso que a narrativa envolvendo a vida da protagonista não me cativou muito, sendo o mais interessante da obra as partes em que o autor trazia as leituras de Proust. Apesar de o livro não ter grandes acontecimentos, é uma leitura fácil e gostosa de se fazer.

Com cerca de 150 páginas, a obra pode ser uma boa opção para quem quer fugir de livros mais densos e com temáticas mais pesadas. E não tenho dúvidas de que você vai terminar querendo garantir “Em busca do tempo perdido” nas suas estantes.

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Campos obrigatórios são marcados*.

Nome*:

Email*:

Comentário*

Veja também

DIVERSOS

Pureza, de Garth Greenwell | Resenha

Como um homem gay que cresceu com pouca representatividade ao redor, fico muito feliz de ver obras contemporâneas com personagens LGBTQIA+ sendo publicadas por grandes editoras e sendo lidas por um público mais amplo. Esse é o segundo romance que eu leio do autor norte-americano Garth Greenwell. O primeiro livro, “O que te pertence”, também tinha como personagem principal um homem gay e acaba revelando um estilo semelhante com a sua nova obra.

NOTA 8,5/10

DIVERSOS

Salvar o fogo, de Itamar Vieira Junior | Resenha

A expectativa do mercado literário estava grande, quase 40 mil exemplares vendidos na pré-venda, e não tinha como ser diferente. A obra antecessora do autor conseguiu um feito que não se via há décadas: um livro contemporâneo nacional furou a bolha para vender mais de 700 mil exemplares. Gostando ou não do livro, essa conquista deve ser muito celebrada por quem se importa com a leitura em nosso país.

NOTA 9/10