Veja também

FICÇÃO, LIVROS

Herança, de Miguel Bonnefoy | Resenha

Quando recentemente estive na França, via "Heritage" em evidência nas estantes das livrarias que visitei. Curioso, fui logo pesquisar mais do livro, que venceu o Prix des Libraires 2021, e percebi que era o mesmo que há pouco havia recebido da @editoravestigio! Comecei a leitura sem saber o que esperar, já que a obra chegou recentemente nas livrarias brasileiras e ainda não tinha visto a opinião de alguém que já tivesse se aventurado por essas páginas... E que surpresa maravilhosa!

NOTA 9,5/10

LIVROS, NÃO FICÇÃO

Paula, de Isabel Allende | Resenha

Começar um livro sobre uma mãe que aguarda a morte de sua filha doente ao seu lado é algo que pode ser impensável para muitos. Temos nossos limites em conhecer o sofrimento do outro, mas a verdade é que esse livro não trata apenas da tristeza e do medo de uma perda irreparável.

NOTA 10/10

DIVERSOS

NOTA 8,5/10

A casa do silêncio, de Orhan Pamuk | Resenha

Apesar de não ser um dos seus romances mais famosos, “A casa do silêncio” foi o primeiro livro que li do autor turco, Vencedor do Prêmio Nobel de literatura em 2006. Me interessei pelo contexto histórico e social que o livro prometia apresentar: Turquia do início da década de 80, quando o país era governado pelos militares. Mas, ao final da leitura, percebi que a proposta da obra é muito mais íntima e subjetiva, levando o leitor para dentro da cabeça dos personagens.

Em seu casarão antigo situado na costa da Turquia, Fatma recebe a visita de seus três netos, que vivem em Istambul. Cada um vem com seus problemas ou ideias políticos diversos, o que acaba por tumultuar a vida pacata da avó. Junto com Fatma, também vive na mansão Recep, um filho bastardo de seu falecido marido, que acaba desempenhando a função de um empregado doméstico, pronto para atender os pedidos constantes da viúva.

No início, a narrativa pode parecer confusa, já que cada capítulo é contado a partir da perspectiva de um personagem diferente, muitas vezes se valendo da técnica do fluxo de consciência. Mas é ao intercalar as vozes de Fatma, Recep e dos netos que Pamuk consegue nos transmitir as distintas visões de uma família repleta de conflitos e remorsos do passado.

E apesar de tantas vozes, o título realmente se justifica. Na verdade, as vozes que lemos são muito mais internas, os próprios pensamentos dos personagens. É um mergulho introspectivo na dinâmica social da Turquia em um período conturbado de sua história.

Eu gostei bastante da leitura, que vai ganhando um ritmo maior com o decorrer das páginas, mas sei que alguns leitores ficaram com a sensação de leitura arrastada. Por isso, leia com calma e com atenção, para conseguir ir acompanhando a capacidade do autor em nos conectar com o íntimo dos personagens.

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Campos obrigatórios são marcados*.

Nome*:

Email*:

Comentário*

Veja também

FICÇÃO

Sobre a terra somos belos por um instante, de Ocean Vuong | Resenha

Em meio ao mês do orgulho LGBTQIA+, comecei essa leitura, muito bem indicada por Mia Couto no @dariaumlivropodcast, sem saber que a obra do autor vietnamita - que acaba de ser traduzida para o português - continha uma temática gay. Ocean Vuong é muito conhecido por suas obras de poesia e “Sobre a terra somos belos por um instante” foi sua primeira aventura em um romance.

NOTA 9/10

FICÇÃO

Vamos comprar um poeta, de Afonso Cruz | Resenha

Nas poucas páginas que compõem esse livro, fica evidente a genialidade do autor português - característica que eu já tinha escutado de outros leitores. A obra foge totalmente daquele conceito de romance que estamos acostumados a ler.

NOTA 10/10