Veja também

FICÇÃO, LIVROS

Herança, de Miguel Bonnefoy | Resenha

Quando recentemente estive na França, via "Heritage" em evidência nas estantes das livrarias que visitei. Curioso, fui logo pesquisar mais do livro, que venceu o Prix des Libraires 2021, e percebi que era o mesmo que há pouco havia recebido da @editoravestigio! Comecei a leitura sem saber o que esperar, já que a obra chegou recentemente nas livrarias brasileiras e ainda não tinha visto a opinião de alguém que já tivesse se aventurado por essas páginas... E que surpresa maravilhosa!

NOTA 9,5/10

LIVROS, NÃO FICÇÃO

Paula, de Isabel Allende | Resenha

Começar um livro sobre uma mãe que aguarda a morte de sua filha doente ao seu lado é algo que pode ser impensável para muitos. Temos nossos limites em conhecer o sofrimento do outro, mas a verdade é que esse livro não trata apenas da tristeza e do medo de uma perda irreparável.

NOTA 10/10

FICÇÃO

NOTA 8,5/10

Paris é para sempre, de Ellen Feldman | Resenha

Quando pensamos em livros sobre a 2a Guerra, logo nos vêm à cabeça histórias que se passam nos campos de batalha ou em campos de concentração nazistas. Mas, no caso de “Paris é para sempre”, a autora cria uma narrativa mais focada nos traumas gerados pela guerra, isto é, em um período em que o conflito persiste apenas dentro das pessoas que vivenciaram dias tão violentos, o que faz da leitura muito interessante.

As personagens principais da obra são Charlotte e Vivi, mãe e filha que vivem em Nova York da década de 1950. Charlotte trabalha em uma editora e em seu dia a dia ainda surgem resquícios do tempo em que viveu na Paris de ocupação alemã. Vivi, por sua vez, nasceu logo antes de a 2a Guerra iniciar e, por ser filha de judeus, precisou ser criada em condições dificílimas, em que os recursos eram escassos. E para piorar, Charlotte teve que criar a filha sozinha, em virtude da morte do marido em combate, e fez de tudo para conseguir conciliar o seu trabalho em uma livraria parisiense com a segurança de Vivi.

E essa luta pela sobrevivência em tempos tão difíceis se torna ainda mais tumultuada com a chegada de um novo personagem nessa história, que passa a despertar sentimentos conflituosos em Charlotte. Até onde a culpa iria perseguir a personagem? E será que vale tudo quando o assunto é assegurar o bem-estar de um filho?

Alternando entre Nova York dos anos 50 e Paris ocupada pelos nazistas, Ellen Feldman constrói uma bonita e intensa história entre os impactos da guerra na vida de mãe e filha. É a história de pessoas comuns, e não heróis de guerra, que tentavam levar vidas normais depois de viverem traumas irreparáveis.

Apesar da tristeza dos dias retratados, “Paris é para sempre” é um livro muito gostoso de ler, que consegue envolver o leitor nos questionamentos apresentados pelos personagens. Por fim, vale dizer que senti um pouco de falta de aprofundamento nas relações amorosas criadas pela autora, o que dificultou em alguns momentos que eu me envolvesse com a narrativa. De toda forma, é um livro que vai agradar muitos leitores!

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Campos obrigatórios são marcados*.

Nome*:

Email*:

Comentário*

Veja também

FICÇÃO

Cachorro velho, de Tereza Cárdenas | Resenha

Essa foi a primeira leitura do meu clube do livro, Bookster pelo Mundo, e é impressionante como a experiência de uma leitura coletiva enriquece muito, deixando as discussões e reflexões bem mais marcadas no leitor.

NOTA 9,5/10

LIVROS, POEMAS

O livro das semelhanças, de Ana Martins Marques | Resenha

Para muitos, assim como para mim, a poesia pode assustar um pouco. Acho que é a nossa tendência de querer racionalizar tudo, compreender as palavras de uma forma palpável.

NOTA 9/10