Veja também

FICÇÃO, LIVROS

Herança, de Miguel Bonnefoy | Resenha

Quando recentemente estive na França, via "Heritage" em evidência nas estantes das livrarias que visitei. Curioso, fui logo pesquisar mais do livro, que venceu o Prix des Libraires 2021, e percebi que era o mesmo que há pouco havia recebido da @editoravestigio! Comecei a leitura sem saber o que esperar, já que a obra chegou recentemente nas livrarias brasileiras e ainda não tinha visto a opinião de alguém que já tivesse se aventurado por essas páginas... E que surpresa maravilhosa!

NOTA 9,5/10

LIVROS, NÃO FICÇÃO

Paula, de Isabel Allende | Resenha

Começar um livro sobre uma mãe que aguarda a morte de sua filha doente ao seu lado é algo que pode ser impensável para muitos. Temos nossos limites em conhecer o sofrimento do outro, mas a verdade é que esse livro não trata apenas da tristeza e do medo de uma perda irreparável.

NOTA 10/10

CONTOS

NOTA 9/10

Estas estórias, de João Guimarães Rosa | Resenha

Um dos principais nomes da literatura nacional, Guimarães Rosa é conhecido por sua habilidade em criar a partir do uso da língua portuguesa e de criativas formas de narrativa. É como se cada palavra, muitas delas inventadas pelo autor, tivesse sido escolhida a dedo para estar naquela parte do texto. As diferentes formas narrativas utilizadas pelo autor, por sua vez, exigem uma leitura bem mais atenta e bastante paciência do leitor para aproveitar as páginas… Mas a verdade é que quando você pega o ritmo da leitura, a genialidade de Guimarães Rosa fica escancarada.

Na leitura de “Estas estórias”, composta por contos publicados após a morte do autor, nós podemos aproveitar muito das características marcante de sua obra. Até então, só havia lido “Primeiras estórias” de Guimarães Rosa, mas confesso que, na época, senti bem mais dificuldade de engatar e aproveitar a leitura. A experiência não foi tão boa para mim! Agora, não sei se por conta do conteúdo dos contos em si, ou se estou mais maduro para conseguir fazer a leitura, mas é inegável que consegui me aproximar muito mais da escrita do autor. Assim, recomendo esse livro para quem ainda não se aventurou nas palavras do autor.

Ah, por ser um livro de contos, é inviável falar da narrativa de cada um dos nove textos que compõem a obra. Cada um tem seus destaques e mostra diferentes habilidade do autor. Por isso, deixo aqui a lista com os meus três favoritos: “A simples e exata estória do burrinho do Comandante”, “Meu tio o Iauaretê” e “Bicho Mau”. Inclusive, vale o destaque ao “Meu tio o Iauaretê”, em que o leitor já pode identificar a forma narrativa que Guimarães Rosa utiliza em sua obra mais famosa: “Grande Sertão: Veredas”.

E você, já leu JGR? Qual você indica para começar? E, por fim, não da para deixar de elogiar a capa maravilhosa que estampa a edição da @globaleditora.

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Campos obrigatórios são marcados*.

Nome*:

Email*:

Comentário*

Veja também

FICÇÃO

Paris é para sempre, de Ellen Feldman | Resenha

Quando pensamos em livros sobre a 2a Guerra, logo nos vêm à cabeça histórias que se passam nos campos de batalha ou em campos de concentração nazistas. Mas, no caso de “Paris é para sempre”, a autora cria uma narrativa mais focada nos traumas gerados pela guerra, isto é, em um período em que o conflito persiste apenas dentro das pessoas que vivenciaram dias tão violentos, o que faz da leitura muito interessante.

NOTA 8,5/10

FICÇÃO

Cachorro velho, de Tereza Cárdenas | Resenha

Essa foi a primeira leitura do meu clube do livro, Bookster pelo Mundo, e é impressionante como a experiência de uma leitura coletiva enriquece muito, deixando as discussões e reflexões bem mais marcadas no leitor.

NOTA 9,5/10