Veja também

FICÇÃO, LIVROS

Pão de açúcar, de Afonso Reis Cabral | Resenha

Com apenas 30 anos, o escritor português venceu o Prêmio Saramago com este livro que, de forma gradual, insere o leitor no cenário de um crime chocante e muito dolorido. O fato histórico sobre o qual o romance é construído é verídico: em 2006, Gisberta, uma transexual brasileira, foi torturada e morta por jovens, na cidade de Porto, em Portugal.

NOTA 8,5/10

FICÇÃO, LIVROS

Torto Arado, de Itamar Vieira Junior | Resenha

Não tenho dúvidas de que 2020 foi o ano do “Torto arado”. Vencedor de dois prêmios literários de extrema relevância (Prêmio Jabuti e Oceanos), o livro de Itamar também conquistou o gosto do público leitor. E com tanta crítica positiva sobre o livro, fica até difícil fazer comentários, seja pelo risco de ser repetitivo, seja pelo medo de fazer algum comentário que possa ir contra a opinião do público.

NOTA 10/10

FICÇÃO, LIVROS

NOTA 9,5/10

A terceira vida de Grange Copeland, de Alice Walker | Resenha

Apesar de ser conhecida mundialmente por “A cor púrpura”, premiado romance que denunciou de forma impactante o racismo e machismo no sul dos Estados Unidos, Alice Walker tem uma ampla produção literária. No entanto, temos poucos de seus trabalhos publicados no Brasil e, por isso, a publicação de seu primeiro romance, “A terceira vida de Grange Copeland” (1970), foi recebida com muito entusiasmo – e, para alegria dos leitores, com uma crítica muito positiva.

Confesso que comecei a leitura com não tão altas expectativas, até porque tinha gostado muito de “A cor púrpura” e sabia que outro livro da autora dificilmente poderia superá-lo. A narrativa perpassa três gerações de uma família no sul dos Estados Unidos. Grange Copeland trabalha e depende da terra, que pouco tem a lhe oferecer. E cansado dessa pobreza e da falta de oportunidade para os negros, decide seguir rumo ao norte, deixando tudo – e todos – para trás. Mas a história se repete e, diferentemente do esperado, Copeland não encontra uma vida melhor. Diante disso, resolve retornar ao seu antigo “lar”, onde se depara com o pouco que restou de sua família.

É um cenário de extrema pobreza e repleto de violência. Copeland enxerga em seu filho, Brownfield, as consequências de uma violência que sempre vivenciou. A constante submissão vivida pelas mulheres e filhos nesse cenário é revoltante. A estrutura de poder que vai resistindo às gerações continua deixando marcas – às vezes fatais – em quem está por baixo.

E para construir esse enredo, Alice Walker se vale de uma escrita crua e capaz de transmitir ao leitor a brutalidade física e psicológica vivida pelos mais frágeis. Eu gostei muito do livro e me envolvi bastante com os personagens. Uma das partes que mais me marcou foi, no meio de tanta tristeza, a humanidade na relação de amizade nutrida entre Copeland e sua neta, filha de Brownfield. Isso mostra como a autora conhece sobre o ser humano e sobre a nossa necessidade de criar vínculos e afetos. Vale muito a pena a leitura!

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Campos obrigatórios são marcados*.

Nome*:

Email*:

Comentário*

Veja também

FICÇÃO, LIVROS

Anjo negro, de Nelson Rodrigues | Resenha

NOTA 9,5/10

FICÇÃO, LIVROS

O amante, de Marguerite Duras | Resenha

Em pouco mais de 120 páginas, a obra publicada em 1984 - e que levou o Prêmio Goncourt no mesmo ano - marcou a literatura mundial e colocou Duras como um dos principais nomes da literatura francesa.

NOTA 8,5/10