Veja também

FICÇÃO, LIVROS

Pão de açúcar, de Afonso Reis Cabral | Resenha

Com apenas 30 anos, o escritor português venceu o Prêmio Saramago com este livro que, de forma gradual, insere o leitor no cenário de um crime chocante e muito dolorido. O fato histórico sobre o qual o romance é construído é verídico: em 2006, Gisberta, uma transexual brasileira, foi torturada e morta por jovens, na cidade de Porto, em Portugal.

NOTA 8,5/10

FICÇÃO, LIVROS

Torto Arado, de Itamar Vieira Junior | Resenha

Não tenho dúvidas de que 2020 foi o ano do “Torto arado”. Vencedor de dois prêmios literários de extrema relevância (Prêmio Jabuti e Oceanos), o livro de Itamar também conquistou o gosto do público leitor. E com tanta crítica positiva sobre o livro, fica até difícil fazer comentários, seja pelo risco de ser repetitivo, seja pelo medo de fazer algum comentário que possa ir contra a opinião do público.

NOTA 10/10

FICÇÃO, LIVROS

NOTA 8,5/10

O amante, de Marguerite Duras | Resenha

Em pouco mais de 120 páginas, a obra publicada em 1984 – e que levou o Prêmio Goncourt no mesmo ano – marcou a literatura mundial e colocou Duras como um dos principais nomes da literatura francesa.

No livro, a palavra “amante” que estampa o título foge do conceito que estamos acostumados a ouvir. Não se trata de uma traição, mas sim de uma relação amorosa, é o amante como aquele que ama. E os amantes criados pela autora formam um casal pouco provável – e pouco aceito pela sociedade da Indochina pré-guerra, ainda colônia da França. Na verdade, os personagens não são totalmente criados por Duras, já que a obra revela uma carga autobiográfica, com semelhanças do passado da autora.

De um lado, temos uma jovem francesa. De outro, um rico comerciante chinês. É uma relação que esbarra no preconceito contra o oriental, por parte da família europeia da garota, e na diferença de idade entre os dois amantes. Ao mesmo tempo, senti até mesmo uma dúvida sobre os reais sentimentos dos personagens, o que realmente é amor ou apenas uma vontade de transgredir regras sociais.

E não se engane pelas poucas páginas que compõem o livro. A leitura é densa, sobretudo pelas mudanças narrativas que a autora faz durante as páginas. Isso demanda uma atenção maior do leitor, um tempo maior para aproveitar a escrita direta e envolvente de Duras. Vale a leitura!

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Campos obrigatórios são marcados*.

Nome*:

Email*:

Comentário*

Veja também

Desafio Bookster

#DesafioBookster2020 | Dezembro

NOTA

LIVROS, NÃO FICÇÃO

Herdeiras do mar, de Mary Lynn Bracht | Resenha

Uma das maiores surpresas do ano, a obra é, em parte, ambientada na Coréia sob ocupação japonesa durante a Segunda Guerra Mundial - um período que conhecia muito pouco.

NOTA 10/10