Veja também

LIVROS, NÃO FICÇÃO

Pacientes que curam, de Julia Rocha | Resenha

Adoro livros que envolvem o universo médico e, por conta disso, já havia recebido várias indicações do livro da Julia Rocha, - mulher, negra, mãe, cantora e que, além de tudo isso, também é médica da família. Em textos curtos, a autora compartilha com os leitores a sua vivência como médica do Sistema Único de Saúde (SUS - aliás, viva o SUS!).

NOTA 9/10

FICÇÃO, LIVROS

Violeta, de Isabel Allende | Resenha

Já imaginou ler a história de alguém que nasceu em meio a gripe espanhola, na década de 20, e viveu para testemunhar o mundo paralisado pela pandemia em pleno 2020? Bom, é justamente essa linha de tempo contemplada por “Violeta” que, ainda por cima, conta com a escrita fantasiosa de Allende.

NOTA 9/10

CLÁSSICOS

NOTA 9/10

Noites brancas, Fiódor Dostoiévski | Resenha

Este é um livro que foge um pouco do que já havia lido do autor, já que nele encontramos uma “típica” narrativa romântica, em que a paixão idealizada e intensa toma conta dos personagens. Foi escrito pouco antes do período de prisão e exílio vivido por Dostoiévski, o que talvez explica essa temática mais leve quando comparada com as obras publicadas nos anos seguintes. ⁣

Em “Noites brancas”, uma das maiores qualidades de Dostoiévski permeia toda a narrativa: o aprofundamento dos conflitos internos dos personagens. É uma história que se passa em poucos dias e que tem início em uma das conhecidas “noites brancas” de São Petesburgo, quando a noite é tão clara que se confunde com o dia. No entanto, apesar de ser um romance curto e sem grandes acontecimentos, essa característica não faz dele uma leitura pouco densa em termos de desenvolvimento dos personagens. ⁣

Somos colocados em frente aos conflitos internos de um jovem tímido – e sonhador – que, em uma de suas solitárias andanças por São Petesburgo, acaba conhecendo Nástienka, com quem inicia longas e íntimas conversas. E esses diálogos construídos por Dostoiévski são incríveis e dão fluidez na leitura. Mas o que aparenta ser a criação de um laço de amizade, já que Nástienka, que se vê presa em uma relação amorosa conturbada, acaba despertando sentimentos mais profundos no narrador.⁣

Em poucas páginas, o autor nos mostra como a paixão é um sentimento fugaz e dolorido, mas que pode nos proporcionar inesquecíveis momentos de felicidades. Continuo recomendando “Gente pobre” e “O eterno marido” como primeira leitura, mas essa pode ser uma boa sequência, como uma porta de entrada para os romances mais psicológicos do autor.

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Campos obrigatórios são marcados*.

Nome*:

Email*:

Comentário*

Veja também

FICÇÃO

O cavalo amarelo, de Agatha Christie | Parceria Bookster

NOTA

Desafio Bookster

#DesafioBookster2020 | Junho

Quando comecei a fazer a pesquisa sobre livros reportagem escritos por autoras, tive uma grande surpresa ao me deparar com uma quantidade boa de excelentes opções.

NOTA