Veja também

LIVROS, NÃO FICÇÃO

As bruxas da noite, de Ritanna Armeni | Resenha

Publicado em 2018 por uma jornalista italiana, a obra chegou ano passado aqui no Brasil, mas não tinha visto ninguém falar sobre ela ainda… Acabei descobrindo a obra por acaso, em pesquisas na internet para o Desafio Bookster. E que boa surpresa, sobretudo porque gosto dos livros jornalísticos que têm uma narrativa mais romanceadas, e menos informacional, exatamente como é o caso de “As bruxas da noite”. ⁣

NOTA 9/10

DIVERSOS

#DesafioBookster2020 | Setembro

Um dos aspectos mais positivos do Desafio Bookster para mim é o incentivo à leitura de obras e gêneros que não costumo ler muito. Apesar de serem extremamente populares, os livros de suspense não aparecem com tanta frequência na minha lista de leituras.

NOTA

Desafio Bookster

NOTA

#DesafioBookster2020 | Junho

Mês: Junho
Gênero: Livro reportagem
Livro escolhido: “As bruxas da noite”, de Ritanna Armeni

Quando comecei a fazer a pesquisa sobre livros reportagem escritos por autoras, tive uma grande surpresa ao me deparar com uma quantidade boa de excelentes opções. Inclusive, quando o assunto é mulheres no gênero da reportagem, temos uma vencedora recente do Prêmio Nobel de Literatura, Svetlana Aleksiévitsch, que tem vários livros publicados no Brasil (alguns com resenha aqui). Nesse cenário de ótimas alternativas, confesso que foi difícil escolher uma delas e acabei optando por um livro menos “falado” aqui no Brasil (talvez por ter sido publicado recentemente) e de uma editora que eu até então não conhecia, a @editoraseoman. Também fiquei animado com as resenhas no sentido de não ser um livro muito “informacional”, cheio de dados e datas (não faz tanto meu estilo).

A premissa de “As bruxas da noite” é muito interessante: trazer ao público a história pouco conhecida das mulheres soviéticas que pilotaram aviões de guerra pelo exército de seu país durante a Segunda Guerra Mundial. A atuação dessas aviadoras era tão intensa que os nazistas passaram a chamá-las de “bruxas da noite”. Ritanna Armeni é uma premiada jornalista e escritora italiana, que buscou relatos para revelar “informações sobre a criação, a luta e as vitórias dessas mulheres que foram apagadas da história após o declínio de suas carreiras como aviadoras devido ao conservadorismo e preconceito do Estado Soviético”. É uma forma de ter acesso a momentos da história que acabaram sendo ignorados pelo “filtro” seletivo dos anos.

Para quem preferir outra escolha, seguem algumas indicações: “Holocausto brasileiro”, de Daniela Arbex; “As boas mulheres da China”, de Xinran; “Ela disse”, de Jodi Cantor e Megan Tawohey; “Presos que menstruam”, de Nana Queiroz; e “Vozes de Tchernóbil”, de Svetlana Aleksiévitsch.

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Campos obrigatórios são marcados*.

Nome*:

Email*:

Comentário*

Veja também

Desafio Bookster, FICÇÃO

Kindred: Laços de sangue, de Octavia Butler | Resenha

Em um gênero literário predominantemente masculino e branco, a norte-americana Octavia Butler foi a primeira mulher - e negra - a ganhar notoriedade na publicação de livros de ficção científica e fantasia.

NOTA 8,5/10

Desafio Bookster, FICÇÃO

O quinze, de Rachel de Queiroz | Resenha

Com apenas 19 anos, a autora cearense publicou um dos principais clássicos sobre a nossa cultura brasileira: um retrato humano do sertão nordestino, da vida difícil do sertanejo, que faz de tudo para tentar sobreviver diante de tanta miséria e dificuldades ambientais.

NOTA 9/10