Veja também

LIVROS, NÃO FICÇÃO

Pacientes que curam, de Julia Rocha | Resenha

Adoro livros que envolvem o universo médico e, por conta disso, já havia recebido várias indicações do livro da Julia Rocha, - mulher, negra, mãe, cantora e que, além de tudo isso, também é médica da família. Em textos curtos, a autora compartilha com os leitores a sua vivência como médica do Sistema Único de Saúde (SUS - aliás, viva o SUS!).

NOTA 9/10

FICÇÃO, LIVROS

Violeta, de Isabel Allende | Resenha

Já imaginou ler a história de alguém que nasceu em meio a gripe espanhola, na década de 20, e viveu para testemunhar o mundo paralisado pela pandemia em pleno 2020? Bom, é justamente essa linha de tempo contemplada por “Violeta” que, ainda por cima, conta com a escrita fantasiosa de Allende.

NOTA 9/10

FICÇÃO

NOTA 9/10

Ninguém escreve ao Coronel, de Gabriel Garcia Márquez | Resenha

Eu gosto muito da escrita do Gabo, da forma com que ele cria enredos simples, até cômicos, mas ao mesmo constrói ambientes riquíssimos e desenvolve personagens marcantes. São narrativas tão gostosas de ler e, ao mesmo tempo, responsáveis por despertar reflexões sobre relações humanas, problemas sociais e peculiaridades da nossa condição.⁣

Em “Ninguém escreve ao Coronel”, o destaque vai para a forma com que a velhice é retratada. Como se aos poucos passássemos a ser esquecidos, tanto pelos que estão à nossa volta, como também pela própria sociedade. Toda semana, o Coronel aposentado vai ao correio na esperança de receber o que lhe era de direito: o pagamento de sua pensão. São tantos anos de espera, que em cada retorno para casa o personagem tenta se convencer de que algum novo problema pode ter ocorrido. A verdade é: qual o real valor do trabalhador que não tem mais utilidade? É o abandono social, uma questão ainda muito atual…⁣

E essa espera não é uma mera distração para a sua velhice entendida. É uma necessidade. As suas reservas vão desaparecendo. Os imóveis e objetos da casa vão sendo vendidos e, aos poucos, a sensação é que até a esposa com quem convive vai definhando. O medo da fome faz parte do dia a dia daquela casa.⁣

Em paralelo, há também uma certa obsessão do Coronel por um galo de rinha que pertencia ao filho que faleceu. Todas as energias e recursos acabam se voltando para o pobre animal, como se assim o Coronel conseguisse deixar viva uma memória de seu filho.⁣

É uma leitura rápida, cômica, mas não pouco sofrida. Escrita aos 29 anos, esse livro é uma boa amostra da genialidade das obras posteriores que Gabo viria a escrever ao longo de sua vida.⁣


Trecho:⁣
“- As ilusões não se comem – respondeu ela.⁣
– Não se comem, mas alimentam – retorquiu o coronel.”

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Campos obrigatórios são marcados*.

Nome*:

Email*:

Comentário*

Veja também

FICÇÃO

Fabián e o caos, de Pedro Juan Gutierrez | Resenha

Ambientado em uma Cuba assolada por intrigas políticas, em plena transição da Revolução, “Fabián e o caos” relata os encontros e desencontros entre duas pessoas muito diferentes. De um lado temos Pedro Juan - inspirado no próprio autor - que vive em busca de sexo e álcool. De outro lado conhecemos Fabián, um personagem peculiar, com traços introvertidos e que nutre uma paixão pelo piano. Além disso, Fabián é homossexual.⁣

NOTA 9/10

FICÇÃO

Flores para Algernon, de Daniel Keyes | Resenha

Até que ponto a ciência pode interferir na natureza humana? E quais as consequências? Nessa obra, o limite entre ciência e ética foi testado. Um experimento conduzido em uma universidade promete algo aparentemente louvável: melhorar a inteligência daqueles que, por motivos diversos, vivem com alguma deficiência intelectual. ⁣⁣

NOTA 8/10