Veja também

LIVROS, NÃO FICÇÃO

Pacientes que curam, de Julia Rocha | Resenha

Adoro livros que envolvem o universo médico e, por conta disso, já havia recebido várias indicações do livro da Julia Rocha, - mulher, negra, mãe, cantora e que, além de tudo isso, também é médica da família. Em textos curtos, a autora compartilha com os leitores a sua vivência como médica do Sistema Único de Saúde (SUS - aliás, viva o SUS!).

NOTA 9/10

FICÇÃO, LIVROS

Violeta, de Isabel Allende | Resenha

Já imaginou ler a história de alguém que nasceu em meio a gripe espanhola, na década de 20, e viveu para testemunhar o mundo paralisado pela pandemia em pleno 2020? Bom, é justamente essa linha de tempo contemplada por “Violeta” que, ainda por cima, conta com a escrita fantasiosa de Allende.

NOTA 9/10

Desafio Bookster, FICÇÃO

NOTA 8,5/10

Kindred: Laços de sangue, de Octavia Butler | Resenha

Em um gênero literário predominantemente masculino e branco, a norte-americana Octavia Butler foi a primeira mulher – e negra – a ganhar notoriedade na publicação de livros de ficção científica e fantasia. Nascida no final da década de 40, em um período de forte segregação racial nos EUA, Butler consegue, se valendo de sua própria vivência, fazer uma mistura muito interessante entre bons enredos e temáticas de extrema relevância social.

Em “Kindred”, a protagonista, Dana, é uma escritora negra, que vive na Califórnia da década de 70. No dia em que completou 26 anos, um incidente inexplicável acontece com ela: Dana sente uma tontura e no mesmo instante acorda em uma cidade no sul dos EUA. Se a mudança geográfica já seria o suficiente para causar espanto, a protagonista descobre que também viveu uma viagem no tempo. Isso mesmo, Dana volta para o século XIX, pré-guerra civil, em que a escravidão ainda era uma triste realidade nas fazendas sulistas.

É um verdadeiro choque de realidades. Dana, uma escritora que vivia em um estado de total liberdade, se vê em uma situação de extremo perigo. Mais que isso: sua liberdade não mais lhe pertence e a sua educação é vista como uma ameaça ao cruel sistema de escravidão. E o que mais me chocou é como a luta pela sobrevivência fez com que a personagem passasse a “aceitar” essa nova realidade em que estava vivendo. “Está vendo como as pessoas são escravizadas com facilidade?”, questiona a narradora quando percebe ter se submetido à crueldade dos brancos.

A escrita de Butler é simples e “page-turner”, daquelas que nos faz querer continuar. Confesso que no início do livro não me empolguei tanto com a história, pois fiquei com a impressão de estar lendo um livro juvenil, previsível (e isso talvez tenha influenciado na nota). Mas aos poucos, senti que a autora foi se aprofundando mais nos conflitos internos dos personagens e nas temáticas relevantes abordadas ao longo da narrativa. É um livro que prende a nossa atenção e que ganhou o coração de vários dos Booksters que se juntaram a mim no #DesafioBookster2020!

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Campos obrigatórios são marcados*.

Nome*:

Email*:

Comentário*

Veja também

Desafio Bookster, FICÇÃO

O quinze, de Rachel de Queiroz | Resenha

Com apenas 19 anos, a autora cearense publicou um dos principais clássicos sobre a nossa cultura brasileira: um retrato humano do sertão nordestino, da vida difícil do sertanejo, que faz de tudo para tentar sobreviver diante de tanta miséria e dificuldades ambientais.

NOTA 9/10

FICÇÃO

Caderno de um ausente (Livro 1 da Trilogia do Adeus), de João Anzanello Carrascoza | Resenha

Começo essa resenha com a tranquilidade de pode dizer que esse livro todo mundo merece ler! E merece porque é um livro tão bonito e tão sensível, que a gente termina se sentindo bem. As palavras de Carrascoza me abraçaram e me despertaram a vontade de conhecer mais do trabalho do autor. 

NOTA 10/10