Veja também

DIVERSOS

O olho mais azul, de Toni Morrison | Resenha

A literatura é uma poderosa ferramenta de empatia. Ela nos permite enxergar situações corriqueiras a partir de perspectivas que são totalmente estranhas à nossa realidade e que nunca teríamos acesso se não fosse por meio dos livros. E terminar a leitura dessa obra apenas confirma esse seu papel...

NOTA 9,5/10

DIVERSOS, FICÇÃO

A ilha, de Aldous Huxley | Resenha

Após sofrer um naufrágio, Will Farnaby acaba sendo arrastado para a costa de Pala, uma ilha por ele totalmente desconhecida. Aos poucos, o personagem vai descobrindo que os habitantes da ilha vivem guiados por regras que fogem muito da realidade em que vivemos...

NOTA 9/10

DIVERSOS

NOTA 8,5/10

Meu pequeno país, de Gaël Faye | Resenha

Se eu pudesse resumir esse livro em apenas um frase, seria: a dureza da guerra na perspectiva de uma criança. Gabriel, um narrador de apenas 10 anos, nos transporta para a guerra civil que assolou Ruanda, no início de 1992. Não espere encontrar um livro típico de guerra, com exércitos e campos de batalha. Nessa obra, o autor francês, que esteve na @flipse de 2019, constrói um relato sobre os impactos de um conflito violento na rotina de uma população. Apesar de se valer de uma escrita fluida, Faye tece uma narrativa dura e impactante. Essa potência da história segue um fluxo crescente com o passar dos capítulos. Nas primeiras páginas, encontramos um garoto tranquilo, nascido em uma família com boas condições financeiras e apenas com problemas que uma criança deve suportar. Filho de pai francês e mãe ruandesa, Gabriel divide sua rotina com a escola, a irmã mais nova e os amigos. Só que é justamente com o avançar da guerra que esse garoto vê a sua vida mudar as poucos. A mãe que deixa a casa; o preconceito dos amigos; até a incerteza sobre o dia seguinte.

A visão de Gabriel sobre os motivos da guerra pode até ser rasa, tendo em vista seus apenas 10 anos, mas os tormentos vividos pelo personagem e sua família escancaram para essa criança que a sua condição de mestiço, tutsi e francês, passa a determinar se ele deve sobreviver ou morrer. Os tutsis são conhecidos como “baratas”, já que devem ser exterminados. Por que um simples tom de pele e o formato de nariz despertam no outro a vontade de matar? Uma pergunta que parece simples, mas cuja complexidade da resposta revela algumas das muitas fraquezas do ser humano.

Fica aqui a dica de uma leitura marcante e necessária sobre a violência e o sofrimento de um cidadão comum em uma guerra. As últimas páginas do livro chegam a dar um nó na garanta.

Gostou da resenha e ficou animado para ler o livro, compre AQUI!

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Campos obrigatórios são marcados*.

Nome*:

Email*:

Comentário*

Veja também

Desafio Bookster

#DesafioBookster2019 | Agosto

Como havia prometido, vou mostrar para vocês a minha escolha do desafio @book.ster para esse mês e dar indicações de outros livros com a temática a ser abordada. Se você só chegou aqui agora, não tem problema! Comece o desafio a partir desse mês e busque aqui na página o post oficial para entender melhor como funciona...

NOTA

FICÇÃO

Pátria, de Fernando Aramburu | Resenha

Ganhador do Prêmio Nacional de Narrativa de 2017 (Espanha), “Pátria” pode ser uma excelente escolha para quem gosta de um bom romance histórico...

NOTA