Veja também

FICÇÃO, LIVROS

O lobo da estepe, de Herman Hesse

A primeira leitura de 2021 já começou muito marcante para mim. Como comentei com vocês, fazia algum tempo que não me identificava tanto com um livro. Já era um grande fã de Hesse depois de ter lido “Sidarta” e “Knulp” e, depois de “O lobo da estepe”, talvez possa falar que o autor está no meu top 10 de escritores favoritos.

NOTA 10/10

FICÇÃO, LIVROS

A terceira vida de Grange Copeland, de Alice Walker | Resenha

Apesar de ser conhecida mundialmente por “A cor púrpura”, premiado romance que denunciou de forma impactante o racismo e machismo no sul dos Estados Unidos, Alice Walker tem uma ampla produção literária. No entanto, temos poucos de seus trabalhos publicados no Brasil e, por isso, a publicação de seu primeiro romance, “A terceira vida de Grange Copeland” (1970), foi recebida com muito entusiasmo - e, para alegria dos leitores, com uma crítica muito positiva.

NOTA 9,5/10

NÃO FICÇÃO

NOTA 7/10

21 lições para o século 21, de Yuval Harari | Resenha

Harari é, sem dúvidas, um autor de best seller garantido. “Sapiens” foi o seu primeiro sucesso mundial e, como já contei para vocês na resenha que fiz, é um livro realmente sensacional. A capacidade que o autor tem de nos contar sobre a extensa história da humanidade, sem tornar o texto maçante, técnico ou superficial é impressionante.
Em seu último lançamento, Harari pretende despertar a reflexão sobre questões sociais ou politicamente relevantes para o futuro da humanidade. Dentre os pontos trazidos, destaco imigração, terrorismo, justiça e educação.
Apesar de a premissa ter chamado minha atenção e me motivado a escolher essa leitura, a expectativa com que iniciei o livro não foi correspondida. Sabe quando um livro parecer ter o dobro de páginas do que realmente tem? Foi isso que senti: a leitura
foi arrastada, já que em muitas passagens senti que o autor não seguia uma linha de estrutura para suas ideias, mas se limitava a apresentar ideias soltas. Ainda que muitas delas sejam interessantes, e que realmente nos façam questionar ou desenvolver uma opinião sobre o tema, a experiência da leitura fica comprometida.
Além disso, as ideias acabavam se repetindo ao longo dos capítulos, como se o autor já escrevesse uma mesma opinião de diferentes formas. Isso talvez se dê pelo fato de Harari ter compilado diversas palestras e textos que escreveu para produzir a obra. “21 lições para o século 21” ficou, na minha opinião, com um toque mais comercial.
Importante lembrar que esse livro foi o primeiro que ouvi uma grande parte pela plataforma de audiobooks (ainda vou fazer um post apenas sobre isso), o que pode ter influenciado a minha opinião. Mas para falar a verdade, mesmo nas oportunidades em que resolvi ler o livro físico, a minha experiência não foi tão melhor.
De qualquer forma, não há como negar a importância dos temas aqui discutidos e a capacidade que Harari tem de disseminá-los para um grande número de pessoas. Para quem não conhece o autor, recomendo muito “Sapiens”.

Quero saber se vocês também. alguém já leu? O que acharam?

Para comprar o livro é só clicar AQUI!

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Campos obrigatórios são marcados*.

Nome*:

Email*:

Comentário*

Veja também

CLÁSSICOS

O eterno marido, de Fiodor Doistoiévski | Resenha

NOTA 9,5/10

Desafio Bookster

#DesafioBookster2019 | Julho

Como havia prometido, vou mostrar para vocês a minha escolha do desafio @book.ster para esse mês e dar indicações de outros livros com a temática a ser abordada. Se você só chegou aqui agora, não tem problema! Comece o desafio a partir desse mês e busque aqui na página o post oficial para entender melhor como funciona...

NOTA