Veja também

LIVROS, NÃO FICÇÃO

Pacientes que curam, de Julia Rocha | Resenha

Adoro livros que envolvem o universo médico e, por conta disso, já havia recebido várias indicações do livro da Julia Rocha, - mulher, negra, mãe, cantora e que, além de tudo isso, também é médica da família. Em textos curtos, a autora compartilha com os leitores a sua vivência como médica do Sistema Único de Saúde (SUS - aliás, viva o SUS!).

NOTA 9/10

FICÇÃO, LIVROS

Violeta, de Isabel Allende | Resenha

Já imaginou ler a história de alguém que nasceu em meio a gripe espanhola, na década de 20, e viveu para testemunhar o mundo paralisado pela pandemia em pleno 2020? Bom, é justamente essa linha de tempo contemplada por “Violeta” que, ainda por cima, conta com a escrita fantasiosa de Allende.

NOTA 9/10

LIVROS

NOTA 9,5/10

O retrato de Dorian Gray, Oscar Wilde | RESENHA

Publicado pela primeira vez em 1890, a obra de Wilde foi recebida com muitas críticas, principalmente por conter indícios de relações homossexuais entre os personagens. Diante disso, em 1891, o autor adaptou a obra, suavizando as passagens “imorais”, adicionando 7 capítulos e incluindo um prefácio muito interessante. Nesse prefácio, Wilde deixa um recado para quem criticou a primeira versão da obra: “Não existe livro moral ou imoral. Livros são bem escritos ou mal escritos. Isso é tudo”. Nesse clássico, conhecemos Dorian Gray, em um primeiro momento descrito como um jovem educado e inocente. Quando Basil Hallward, um conhecido pintor, conhece Dorian, fica fascinado com jovem e decide eternizar essa beleza em um retrato.
Lorde Henry, amigo de Basil, fica encantado pela obra e deseja conhecer aquele jovem. Essa amizade que nasce entre Henry e Dorian vai mudar radicalmente a vida e a própria “essência” do jovem rapaz. Lorde Henry valoriza extremamente o prazer e a beleza e tenta mostrar como Dorian deveria aproveitar mais esse lado bom da vida. Essa influência faz ainda mais efeito quando Dorian olha pela primeira vez o seu retrato e toma consciência de sua beleza. Com isso, passa a temer os efeitos do tempo e deseja nunca envelhecer, ficar para sempre com a aparência que vê no retrato.
A partir disso, levando uma vida voltada ao prazer e futilidades, o caráter de Dorian vai sendo aos poucos corrompido e, para sua surpresa, essas mudanças passam a ser refletidas em seu retrato. Enquanto Dorian permanece jovem e belo, o retrato passa a envelhecer, absorvendo o modo de vida do personagem.
Apesar de ter sido escrita no séc. XIX, a obra é atual e revela não só a obsessão do indivíduo pela beleza e juventude eternas, mas também a dificuldade de lidar com as decisões.
Sobre a escrita de Wilde, gostei muito e é possível perceber um tom poético e descritivo. Como li no original, tive certa dificuldade com um vocabulário mais rebuscado.
Por fim, senti que o personagem de Dorian poderia ter sido mais explorado e aprofundado. O destaque ficou para o Lorde Henry, com seus diálogos cheios de cinismo e humor.

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Campos obrigatórios são marcados*.

Nome*:

Email*:

Comentário*

Reginaldo disse:

Depois da sua crítica sobre o livro e da forma que você explicou sobre o desenrolar do livro (na jovem Pan online) , fiquei curioso e já estou colocando esse livro na minha lista. Obrigado!

bookster disse:

Que bom Reginaldo, depois me conta o que achou!
Abs

Veja também

LIVROS

Trilogia suja de Havana, Pedro Juan Gutiérrez | RESENHA

A obra reúne pequenos contos, em sua maioria autobiográficos, e todos com um ponto em comum: o cenário!

NOTA 09/10

Desafio Bookster

#DesafioBookster2018 – Novembro

Mês: Novembro -

Livro publicado na década de 2000 - “Não me abandone jamais", Kazuo Ishiguro (2005)

NOTA