Veja também

LIVROS, NÃO FICÇÃO

Pacientes que curam, de Julia Rocha | Resenha

Adoro livros que envolvem o universo médico e, por conta disso, já havia recebido várias indicações do livro da Julia Rocha, - mulher, negra, mãe, cantora e que, além de tudo isso, também é médica da família. Em textos curtos, a autora compartilha com os leitores a sua vivência como médica do Sistema Único de Saúde (SUS - aliás, viva o SUS!).

NOTA 9/10

FICÇÃO, LIVROS

Violeta, de Isabel Allende | Resenha

Já imaginou ler a história de alguém que nasceu em meio a gripe espanhola, na década de 20, e viveu para testemunhar o mundo paralisado pela pandemia em pleno 2020? Bom, é justamente essa linha de tempo contemplada por “Violeta” que, ainda por cima, conta com a escrita fantasiosa de Allende.

NOTA 9/10

LIVROS

NOTA 10/10

Pais e filhos, Ivan Turgueniev | Resenha

Russos: cada nova leitura, uma surpresa boa! Não foi diferente com Turgueniev. “Pais e filhos” está na minha lista de livros favoritos! A leitura fluiu muito bem para mim e achei a temática muito interessante! O livro traz a história do jovem Arkádi Nikolaitch que, depois de um tempo estudando na cidade, decide voltar ao interior, para a propriedade em que seu pai e seu tio vivem. Nessa visita, Arkádi leva um amigo, Bazárov, que na minha opinião é um dos personagens mais marcantes da obra. A partir desse encontro, Turguêniev retrata um verdadeiro choque entre gerações e ideologias distintas. Enquanto o pai e tio de Arkádi representam os valores de uma geração conservadora, pautada em uma moral aristocrática militar, em que a servidão era defendida, Bazárov é a alegoria de “revolta” contra o pensamento tradicional. É, inclusive, nessa obra que surge de forma mais direta o termo niilismo, movimento que nega qualquer tipo de instituição e autoridade. Bazárov é um personagem que desperta sentimentos conflitantes no leitor, pois acaba sendo exagerado na defesa de seus ideais e, ao mesmo tempo que se intitula um niilista, não se incomoda de viver em condições aristocráticas.

Também vale mencionar que esse contraste de gerações é construído com diálogos extremamente inteligentes e sarcásticos, e retrata características da sociedade e da época em que foi escrito (década de 1860).
Achei interessante o fato de o autor tecer críticas, diluídas ao longo do texto, aos pensamentos de ambas as gerações. Ou seja, o próprio leitor não consegue tirar uma conclusão do que Turguêniev entendia como correto. Isso rendeu ao autor críticas tanto por parte de conservadores, como dos que defendiam o rompimento com os pensamentos tradicionais.
Por fim, a escrita de Turgeniêv não é complexa ou densa, mas econômica, com um ótimo toque de ironia e humor (principalmente nas falas de Bazárov). Ele foi o primeiro autor moderno russo a publicar as suas obras e ficar conhecido no ocidente.

Ah, essa edição é da finada Cosac Naify e está esgotada (editoras, repliquem esse livro!!!)! Mas já me falaram que é possível encontrar na internet uma versão digital.
Editora: Cosac & Naify
Ano de publicação: 1982
Número de páginas: 352
Link de compra: https://amzn.to/2QBvJXL

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Campos obrigatórios são marcados*.

Nome*:

Email*:

Comentário*

Veja também

LIVROS

The Underground Railroad – Os caminhos para a liberdade, Colson Whitehead | Resenha

Depois de ter sido vencedora do Pulitzer Prize e elogiada por Barack Obama, a obra de Whitehead disparou na lista dos mais vendidos.

NOTA 7,5/10

DIVERSOS

Escolha da vez

Quem me acompanha aqui há algum tempo sabe que eu costumo escolher as minhas leituras com base em 4 categorias, que podem ser assim resumidas: (1) clássico; (2) livro curto (até 200 páginas); (3) autor contemporâneo / ficção científica; e (4)livro de não-ficção / de contos / poemas. .

NOTA