Veja também

LIVROS, NÃO FICÇÃO

Pacientes que curam, de Julia Rocha | Resenha

Adoro livros que envolvem o universo médico e, por conta disso, já havia recebido várias indicações do livro da Julia Rocha, - mulher, negra, mãe, cantora e que, além de tudo isso, também é médica da família. Em textos curtos, a autora compartilha com os leitores a sua vivência como médica do Sistema Único de Saúde (SUS - aliás, viva o SUS!).

NOTA 9/10

FICÇÃO, LIVROS

Violeta, de Isabel Allende | Resenha

Já imaginou ler a história de alguém que nasceu em meio a gripe espanhola, na década de 20, e viveu para testemunhar o mundo paralisado pela pandemia em pleno 2020? Bom, é justamente essa linha de tempo contemplada por “Violeta” que, ainda por cima, conta com a escrita fantasiosa de Allende.

NOTA 9/10

DIVERSOS

NOTA 8,5/10

Memórias de um caçador, Ivan Turguêniev

Turguêniev é autor de um dos meus livros favoritos: Pais e filhos (a edição está esgotada aqui no Brasil, torcendo para alguma nova editora republicá-lo). O autor é conhecido por ter produzido uma obra mais acessível, voltada para o leitor ocidental. Quando alguém me pergunta por qual livro da literatura russa começar, recomendo alguma de suas obras.
Como esperado, “Memórias de um caçador” foi uma grande leitura. Os 25 contos têm em comum o cenário do campo russo da década de XIX. Ao longo da leitura, o autor vai apresentando diversos aspectos sociais e culturais dos moradores do campo (mujiques), principalmente o contraste entre a vida dos servos e dos proprietários de terras. Turguêniev inova ao apresentar o lado humano do mujique, uma classe social marginalizada. Por meio dos contos, o leitor tem contato com a vida íntima desses camponeses, adentrando em suas casas e testemunhando intrigas familiares e amorosas. Considerando o tom crítico em seu texto, que revela as difíceis condições de vida dos mujiques, o autor foi preso um mês depois de sua publicação, em 1852. Inclusive, “Memórias de um caçador” teve um papel importante para abolição da servidão na Rússia.
A narrativa de Turguêniev é bem descritiva e com uma forte carga poética, o que pode deixar algumas passagens um pouco arrastadas. No entanto, essa descrição excessiva do ambiente, dos costumes e tradições da época foi intencional, com o objetivo de transportar o leitor para aquele cenário. De acordo com os especialistas em literatura russa, há um certo tom autobiográfico nos contos que compõem a obra: Turguêniev nasceu em uma família rica e passou parte da infância em uma grande propriedade no campo.
.
.
Destaque para os contos: “O médico do distrito”, “Meu vizinho Radílov” E “Kassian de Krassívaia Mietch”.
.
.
“Arkadi Pávlitch, empregando suas próprias palavras, é severo, porém justo, zela pelo bem de seus súditos e os pune para seu próprio bem.” #bookster

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Campos obrigatórios são marcados*.

Nome*:

Email*:

Comentário*

Veja também

Desafio Bookster, DIVERSOS

#DesafioBookster2018 – Setembro

Mês: Setembro - Categoria: Livro publicado na década de 1980 -  “Crônica de uma morte anunciada", Gabriel García Márquez (1981)

NOTA

DIVERSOS

A hora da estrela, Clarice Lispector

“A hora da estrela” foi um daqueles livros que comecei a ler com uma expectativa alta – o que costuma ser arriscado – e que, ao final, se superou. É, antes de mais nada, uma obra que transborda humanidade.

NOTA 10/10