Veja também

LIVROS, NÃO FICÇÃO

Pacientes que curam, de Julia Rocha | Resenha

Adoro livros que envolvem o universo médico e, por conta disso, já havia recebido várias indicações do livro da Julia Rocha, - mulher, negra, mãe, cantora e que, além de tudo isso, também é médica da família. Em textos curtos, a autora compartilha com os leitores a sua vivência como médica do Sistema Único de Saúde (SUS - aliás, viva o SUS!).

NOTA 9/10

FICÇÃO, LIVROS

Violeta, de Isabel Allende | Resenha

Já imaginou ler a história de alguém que nasceu em meio a gripe espanhola, na década de 20, e viveu para testemunhar o mundo paralisado pela pandemia em pleno 2020? Bom, é justamente essa linha de tempo contemplada por “Violeta” que, ainda por cima, conta com a escrita fantasiosa de Allende.

NOTA 9/10

LIVROS

NOTA 9,5/10

Desonra, J. M. Coetzee

Vencedor do Man Booker Prize, Desonra narra a história de David Lurie, um professor universitário cinquentão e divorciado. O protagonista tem dificuldades em se envolver afetivamente e sua relação mais profunda é com uma prostituta. No entanto, após iniciar um romance com uma de suas alunas, é acusado de estupro e expulso da universidade em que dá aula. Diante disso, resplve passar um tempo na casa de sua filha, Lucy, na África do Sul pós-apartheid.
Lá, Lurie entra em contato com um país ressentido e ainda sofrendo pelos conflitos raciais. É uma completa mudança de cenário: da grande cidade para o campo em um país ainda em desenvolvimento. E também uma mudança do cenário mais interior: do individual para o coletivo. O que aparenta ser um romance sobre uma relação perturbada entre um homem mais velho e uma jovem, se mostra, na verdade, uma análise de uma sociedade brutalizada e oprimida.
Apesar de Coetzee criar uma narrativa com personagens comuns, aborda inúmeros temas sensíveis e polêmicos, como abuso sexual, racismo, violência, submissão, maus-tratos contra animais… A escrita é econômica, o autor não se vale de descrições minuciosas ou frases longas.
Com um final perturbador, “Desonra” é um livro real, seco, com cenas fortes e que prende muito o leitor! .
.
“A história percorre o distrito como uma mancha. Não é a história dela que se espalha, mas a deles: eles são os donos. Como eles a puseram em seu lugar, como lhe mostraram para que ser e uma mulher.”
#bookster #jmcoetzee #desonra#bookstagram

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Campos obrigatórios são marcados*.

Nome*:

Email*:

Comentário*

Júnia Cesar disse:

Caro Pedro, te vi na rádio e segui o seu conselho em ler um livro antes de conhecer um país.
Li “Desonra” em 2 dias. O livro é atual e impactante!
Quero muito te agradecer pela dica. Estou sempre de olho nos seus comentários. Abraços.

Veja também

LIVROS

Homens imprudentemente poéticos, Valter Hugo Mãe

Mais uma obra prima de um dos meus autores contemporâneos j (se não, o favorito de todos). Em "Homens imprudentemente poéticos", o autor constrói sua narrativa a partir de um cenário do Japão antigo, campesino e artesão.

NOTA 10/10

Desafio Bookster

#DesafioBookster2018 – Agosto

- Mês: Agosto - Categoria: Livro publicado na década de 1970 - Livro escolhido: “A hora da estrela", Clarice Lispector (1977)

NOTA