Veja também

LIVROS, NÃO FICÇÃO

Pacientes que curam, de Julia Rocha | Resenha

Adoro livros que envolvem o universo médico e, por conta disso, já havia recebido várias indicações do livro da Julia Rocha, - mulher, negra, mãe, cantora e que, além de tudo isso, também é médica da família. Em textos curtos, a autora compartilha com os leitores a sua vivência como médica do Sistema Único de Saúde (SUS - aliás, viva o SUS!).

NOTA 9/10

FICÇÃO, LIVROS

Violeta, de Isabel Allende | Resenha

Já imaginou ler a história de alguém que nasceu em meio a gripe espanhola, na década de 20, e viveu para testemunhar o mundo paralisado pela pandemia em pleno 2020? Bom, é justamente essa linha de tempo contemplada por “Violeta” que, ainda por cima, conta com a escrita fantasiosa de Allende.

NOTA 9/10

Desafio Bookster

NOTA

#DesafioBookster2018 – Agosto

#desafiobookster2018
.
. – Mês: Agosto – Categoria: Livro publicado na década de 1970 – Livro escolhido: “A hora da estrela”, Clarice Lispector (1977)

Para quem ainda não conhece, o Desafio Book.ster 2018 foi lançado com o objetivo de, seguindo uma ordem temporal, incentivar a leitura de obras clássicas publicadas no século XX. A ideia é simples: 12 livros, 12 décadas. Por exemplo, em janeiro lemos um livro publicado entre 1900 e 1909. E por aí vai… Se você ainda não começou, ainda dá tempo de participar, é só escolher um livro para esse mês e que tenha sido publicado na década de 50…
No início de todo mês venho aqui apresentar o livro escolhido, assim como algumas sugestões para de obras publicadas na década respectiva!

.
.

Finalmente vou ler meu primeiro livro de Clarice! Para muitos, a autora ocupa o topo da lista de preferidos. Na hora de escolher por qual começar, optei por “A hora da estrela”, uma de suas obras mais renomadas e o último romance de sua autoria. Nesse livro, Clarice dá voz à Macabéa, uma mulher oprimida, órfã de pai e de mãe, que parte do sertão de Alagoas para o Rio de Janeiro, em busca de condições menos precárias. A narrativa, contada pelo escritor Rodrigo, um alter-ego de Clarice, promete trazer ao leitor o retrato da vida como ela: personagens humanizados e simples, que sofrem, mas que não deixam de almejar a felicidade. Detalhe para a edição da @rocco em comemoração aos 40 anos desse clássico da literatura brasileira, com diversos textos de apoio e reproduções do texto original da autora.
.
Além de “A hora da estrela”, indico os seguintes livros publicados na década de 1970: “A pedra do reino”, Ariano Suassuna (1970); “As cidades invisíveis”, Italo Calvino (1972); “O arco-íris da gravidade”, Thomas Pynchon; “As meninas”, Lygia Fagundes Telles (1973); “Os despossuídos”, Ursula Le Guin (1973); “Lavoura Arcaica” (1975); e “O jardim de cimento”, Ian McEwan (1978).
.
E você, já escolheu sua leitura de agosto?

.

.
#bookster #desafioliterario #literatura #ahoradaestrela #literaturanacional #claricelispector

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Campos obrigatórios são marcados*.

Nome*:

Email*:

Comentário*

Veja também

LIVROS

Adua, Igiaba Scego

Um romance extremamente forte e impactante, que tem como pano de fundo as consequências de um colonialismo devastador e a relação conturbada - e violenta - de um pai e filha.

NOTA 09/10

LIVROS

A moça do internato, Nadiêjda Khvoschínskaia

Primeira obra escrita por uma escritora russa que leio! É um livro curto, com uma narrativa fluida e que consegue envolver o leitor. Escrito em 1861, “A moça do Internato” conta a história de Liôlienka, uma garota jovem, boa aluna e nascida em uma pequena cidade do interior da Rússia.

NOTA 09/10