Veja também

DIVERSOS

Quem matou meu pai, de Édouard Louis | Resenha

Um manifesto literário e íntimo. Com menos de 100 paginas, Édouard Louis constrói um texto híbrido, que combina críticas sociais à desigualdade e à sociedade opressora em que vivemos, com suas memórias, em especial a sua conturbada relação com seu pai, que não aceitava um filho gay. Se a autoaceitação de uma pessoa da comunidade LGBTQIA+ já é um processo difícil e dolorido, enfrentar esses medos com a repulsa familiar é uma tarefa muito mais sofrida.

NOTA 9/10

DIVERSOS

Uma história desagradável, de Fiódor Dostoiévski | Resenha

Diferentemente do seus romances mais densos, que se aprofundam nos conflitos e angústias dos personagens, “Uma história desagradável” é uma obra curta e que revela um Dostoiévski mais cômico e menos psicológico. E o que começa com uma premissa bem humorada, acaba levando para um desenvolvimento desagradável - para não dizer caótico.

NOTA 9/10

DIVERSOS

NOTA 8/10

O Lugar, de Annie Ernaux | Resenha

Esse foi o primeiro livro que li da vencedora do Prêmio Nobel de 2022. A leitura foi feita ano passado, antes mesmo do anúncio do Prêmio. Ou seja, fui sem conhecer muito o trabalho de Annie e também sem saber o que iria encontrar. E, no final, confesso que a leitura não me conquistou tanto. Foi uma experiência boa, mas não marcante, principalmente quando comparo com as duas outras leituras que acabei fazendo esse ano (Os anos e O acontecimento).

Em O lugar, encontramos o mesmo estilo da autora, que a deixou conhecida no mundo literário: a capacidade de escrever histórias envolventes a partir de suas memórias, mas com uma visão menos pessoal. Ela se distancia do que viveu, como se contasse as memórias de um outro.

Nessa leitura, inclusive, Annie faz isso de forma mais nítida, já que ela utiliza a figura do pai para refletir sobre a relação entre os dois e fazer uma análise de sua realidade social. Seu pai era um trabalhador simples, que passou pelas duas grandes guerras e viveu as transformações da França do século passado. Por outro lado, Annie teve uma ascensão social por ter tido a oportunidade de uma boa educação e de ingressar na Universidade. Seu livro é uma autossociobiografia.

A temática e a escrita são os pontos altos do livro, que conta com menos de 80 páginas. A forma como Annie relata a sua relação com o pai é muito objetiva e distante, o que, nessa caso, não me cativou tanto. Talvez isso tenha feito com que eu demorasse muito tempo para escrever essa resenha, como se eu precisasse entender o que aquelas poucas páginas deixaram em mim. Hoje, sei que o mais importante foi a vontade de conhecer outras obras da autora – o que, confesso, valeu muito à pena!

“Talvez eu escreva porquê não tínhamos mais nada para escrever um ao outro.”

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Campos obrigatórios são marcados*.

Nome*:

Email*:

Comentário*

Veja também

DIVERSOS

Desafio Bookster 2023 | Março

#DesafioBookster2023
Mês: Março
Tema: Escravidão
Livro: Água de Barrela, de Eliana Alves Cruz

NOTA

DIVERSOS

Irmão de alma, de David Diop | Resenha

Escolhido para o primeiro mês do Desafio Bookster 2023, o livro do autor francês criado no Senegal traz uma visão diferente sobre o tema da 1ª Guerra Mundial. Aprendemos nas escolas e em outros livros a partir da participação dos países europeus. No entanto, David Diop constrói um romance brutal centrado em personagens senegaleses, que são convocados a deixarem o seu país e lutarem contra os inimigos dos franceses. Eles não conhecem seu inimigo, mas são ensinados a cumprir com a única obrigação de matar.

NOTA 9/10