Veja também

DIVERSOS

Quem matou meu pai, de Édouard Louis | Resenha

Um manifesto literário e íntimo. Com menos de 100 paginas, Édouard Louis constrói um texto híbrido, que combina críticas sociais à desigualdade e à sociedade opressora em que vivemos, com suas memórias, em especial a sua conturbada relação com seu pai, que não aceitava um filho gay. Se a autoaceitação de uma pessoa da comunidade LGBTQIA+ já é um processo difícil e dolorido, enfrentar esses medos com a repulsa familiar é uma tarefa muito mais sofrida.

NOTA 9/10

DIVERSOS

Uma história desagradável, de Fiódor Dostoiévski | Resenha

Diferentemente do seus romances mais densos, que se aprofundam nos conflitos e angústias dos personagens, “Uma história desagradável” é uma obra curta e que revela um Dostoiévski mais cômico e menos psicológico. E o que começa com uma premissa bem humorada, acaba levando para um desenvolvimento desagradável - para não dizer caótico.

NOTA 9/10

FICÇÃO, LIVROS

NOTA 8,5/10

A pediatra, de Andréa del Fuego | Resenha

Para quem vê de fora, Cecília é uma mulher bem sucedida e que ama o que faz. Trabalha como pediatra há muitos anos e possui uma boa rede de pacientes. No entanto, o que o novo romance de Andréa del Fuego deixa claro é como podemos nos enganar pelas aparências. O que se passa na cabeça daqueles com quem convivemos? Será que nos surpreenderíamos se acessássemos os pensamentos do outro, mesmo daqueles que achamos serem tão “normais”?

Em “A pediatra”, estamos lado a lado com Cecília, mergulhados em seus pensamentos. E é isso que choca o leitor desde o início do livro, já que a realidade da personagem é muito distinta do que parece ser. Para começar, Cecília é uma pediatra que não é muito afeita a crianças. Isso mesmo! Além disso, não tem uma paixão por seu trabalho e o enxerga como uma tarefa mecânica, de protocolos, em que basta fazer o que aprendeu e terminar logo com suas obrigações.

Contudo, apesar de ter um consultório sempre cheio, Cecília percebe que os obstretas do hospital em que costuma trabalham passam a deixar de indicá-la para os partos. O novo pediatra neonatal preferido parece ser alguém ligado a uma linha mais humanista, em que nem sempre a ciência parece sustentar suas decisões. Ao mesmo tempo, a protagonista vive uma relação amorosa extremamente conturbada, sobretudo quando descobre que a esposa de seu “parceiro” está grávida.

A partir disso, a vida de Cecília vira de ponta cabeça e a sua rotina aparentemente estável começa a despertar um lado compulsivo da personagem. Com uma escrita irônica e ácida, a autora constrói uma protagonista com pensamentos – e atitudes – polêmicas e que podem causar uma forte estranheza do leitor.

Não posso me arriscar a falar mais sem correr o risco de estragar a surpresa que é conhecer melhor Cecília. Mas, será possível sentir compaixão por uma pessoa com atitudes tão imorais? E o pior: será que nos identificamos com a personagem em alguns momentos? Vale muito a leitura!

“Não tinha filhos, como eu, mas queria ter, diferente de mim. Criança nem pensar, acabaria minha naturalidade, me obrigaria a ser outra pessoa.”

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Campos obrigatórios são marcados*.

Nome*:

Email*:

Comentário*

Veja também

FICÇÃO, LIVROS

Formas de voltar para casa, de Alejandro Zambra | Resenha

Escolhido como o livro do Chile no Bookster pelo mundo, “Formas de voltar para casa” é um livro de reconstrução da memória, tendo como pano de fundo o governo de Pinochet, no final do século XX. Desde sua infância até os dias atuais, o personagem vai descrevendo passagens de sua vida e da história do Chile com base no que viu e no que lhe contaram.

NOTA 8,5/10

FICÇÃO, LIVROS

O avesso da pele, de Jeferson Tenório | Resenha

Começar o #DesafioBookster2022 com uma leitura tão impactante como essa é com certeza um sinal de quanto a literatura nacional contemporânea pode ser surpreendente!

NOTA 10/10