Veja também

FICÇÃO, LIVROS

A fantástica vida breve de Oscar Wao, de Junot Díaz | Resenha

Vencedor do Prêmio Pulitzer de ficção em 2008, a obra do autor domenicano Junot Díaz estava esgotada das prateleiras brasileiras há um tempo e ganhou nova edição da @editorarecord! E que coisa boa foi poder ler esse livro e saber que outros leitores também poderão encontrá-lo facilmente nas livrarias!

NOTA 9,5/10

CLÁSSICOS, FICÇÃO, LIVROS

Um jogador, Fiódor Dostoiévski | Resenha

A literatura russa consegue ser uma caixinha de boas surpresas! “Um jogador” é uma novela de Dostoiévski que já estava na minha lista há um tempo, já que era frequentemente indicada como uma obra que trazia humor junto da habilidade de escrita do autor. E é isso que ele entrega: uma boa história, sem deixar de lado a sua interessante análise sobre o psicológico dos personagens.

NOTA 8,5/10

FICÇÃO, LIVROS

NOTA 8,5/10

Demian, de Hermann Hesse | Resenha

Quando você começa uma nova obra de um dos seus autores favoritos, é difícil de evitar as altas expectativas. “Demian” é um dos principais livros do escritor alemão Herman Hesse, que venceu o Prêmio Nobel da Literatura em 1964. Muitos leitores, inclusive, indicam esse livro como uma boa porta de entrada nas obras do autor, já que traz uma temática de adolescência, de formação de um jovem.

Emil Sinclair é o protagonista e narrador da história. Quando ainda criança, vive um momento comum na vida de muitos: a saída da bolha segura e confortável da casa dos pais para enfrentar o desconhecido e os possíveis conflitos com outros jovens de sua idade. Nesse momento, o protagonista conhece Max Demian, um colega de classe que parece ter ideias muito maduras para a sua idade. E é a partir dessa amizade pouco convencional que Sinclair começa a refletir sobre sua existência, sobre as contradições da condição humana e suas dualidades. Demian serve como um guia para Sinclair, que enxerga no amigo alguém à frente de seu tempo. Um guia para o seu autoconhecimento.

A temática me agrada bastante, mas confesso que a primeira parte do livro não me cativou tanto. Tive dificuldades de me apegar aos personagens e essa parte inicial me deixou confuso em alguns momentos (talvez por uma maior carga filosófica). Por outro lado, a segunda parte do livro, com Sinclair mais velho e mais maduro, me interessou muito mais – o que ficou evidente até no meu ritmo da leitura. Como se o personagem estivesse mais consciente sobre os seus conflitos internos e conseguisse passar isso de forma mais clara ao leitor.

Leia Herman Hesse, mas leia com calma e sabendo sobre as principais questões abordadas pelo autor. Não espere uma narrativa comum, repletas de acontecimentos, mas sim uma temática mais subjetiva e filosófica.

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Campos obrigatórios são marcados*.

Nome*:

Email*:

Comentário*

Veja também

LIVROS, NÃO FICÇÃO

Um defeito de cor, de Ana Maria Gonçalves | Resenha

Sabe aquela leitura que você mal começa e já quer sair indicando? Então, com “Um defeito de cor” foi bem assim. Levei mais de 2 meses para ler as quase mil páginas e fiquei esse tempo todo ansioso para poder fazer essa resenha para vocês e recomendar a leitura!

NOTA 10/10

FICÇÃO, LIVROS

Gente ansiosa, de Fredrik Backman | Resenha

Vivendo em um período em que a ansiedade é um grande vilão, não há como não se sentir atraído por esse título. Mas logo que me deparei com a sinopse do romance do autor sueco, que se tornou um best seller em vários países, fiquei um pouco na dúvida sobre de que maneira o título do livro poderia se relacionar com a história.

NOTA 8/10