Veja também

FICÇÃO, LIVROS

Herança, de Miguel Bonnefoy | Resenha

Quando recentemente estive na França, via "Heritage" em evidência nas estantes das livrarias que visitei. Curioso, fui logo pesquisar mais do livro, que venceu o Prix des Libraires 2021, e percebi que era o mesmo que há pouco havia recebido da @editoravestigio! Comecei a leitura sem saber o que esperar, já que a obra chegou recentemente nas livrarias brasileiras e ainda não tinha visto a opinião de alguém que já tivesse se aventurado por essas páginas... E que surpresa maravilhosa!

NOTA 9,5/10

LIVROS, NÃO FICÇÃO

Paula, de Isabel Allende | Resenha

Começar um livro sobre uma mãe que aguarda a morte de sua filha doente ao seu lado é algo que pode ser impensável para muitos. Temos nossos limites em conhecer o sofrimento do outro, mas a verdade é que esse livro não trata apenas da tristeza e do medo de uma perda irreparável.

NOTA 10/10

FICÇÃO

NOTA 8/10

O homem que escutava as abelhas, de Christy Lefteri | Resenha

Destruição. Essa é a palavra que marca toda a narrativa. E não é apenas a destruição física da cidade de Alepo, na Síria, de onde fogem os protagonistas do romance, mas também a destruição dos que mais amamos e da esperança por dias melhores.

Nuri é um criador de abelhas que, junto com sua esposa Afra e seu filho, vivia em uma Síria “normal”. No entanto, com com o início das guerras, até a ruína total da cidade, Nuri e Afra veem a sua vida desabar quando sofrem uma perda devastadora. E é em meio a tanta tristeza e saudades que os dois ainda precisam buscar forças para tentar sobreviver.

Diante da falta de qualquer esperança, o casal decide tomar o rumo que milhões de pessoas são forçadas a tomar ao redor do mundo: o refúgio. A travessia é repleta de obstáculos, que muitas vezes deixam os personagens perto do seu limite físico e psicológico.

Ao trazer essa realidade tão atual para os leitores, Christy consegue dar voz ao sofrimento dos refugiados, deixando claro para qualquer um que fugir de seu país não é uma escolha, mas sim a única alternativa contra a morte. Vale dizer que a autora nos conta isso com base na sua própria experiência trabalhando em campos de refugiados na Europa, o que torna o enredo ainda mais verossímil.

Confesso que fiquei muito chocado com os detalhes que Christy traz em sua narrativa. Nos deparamos com situações em que o conceito de humanidade fica completamente perdido. Uma realidade em que uma criança é descartável e que a vida não vale nada.

A escrita é bem simples e não conseguiu me mostrar uma grande profundidade dos personagens. Mesmo assim, e apesar das cenas fortes, essa leitura tem um papel muito importante para conscientizar o leitor sobre a seriedade e urgência com que o tema dos refugiados deve ser tratado. É um combate à carga de desinformação que vemos sendo disseminada nos meios de comunicação. Recomendo!

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Campos obrigatórios são marcados*.

Nome*:

Email*:

Comentário*

Veja também

FICÇÃO

O mundo se despedaça, de Chinua Achebe | Resenha

Ainda não muito conhecido no Brasil, o autor nigeriano Chinua Achebe é considerado como um dos maiores autores do século XX. Em “O mundo se despedaça”, o autor nos leva para uma Nigéria pré-independência e, mais especificamente, para o centro da vida tribal da etnia ibo.

NOTA 9/10

DIVERSOS

A casa do silêncio, de Orhan Pamuk | Resenha

Apesar de não ser um dos seus romances mais famosos, “A casa do silêncio” foi o primeiro livro que li do autor turco, Vencedor do Prêmio Nobel de literatura em 2006.

NOTA 8,5/10