Veja também

FICÇÃO, LIVROS

Herança, de Miguel Bonnefoy | Resenha

Quando recentemente estive na França, via "Heritage" em evidência nas estantes das livrarias que visitei. Curioso, fui logo pesquisar mais do livro, que venceu o Prix des Libraires 2021, e percebi que era o mesmo que há pouco havia recebido da @editoravestigio! Comecei a leitura sem saber o que esperar, já que a obra chegou recentemente nas livrarias brasileiras e ainda não tinha visto a opinião de alguém que já tivesse se aventurado por essas páginas... E que surpresa maravilhosa!

NOTA 9,5/10

LIVROS, NÃO FICÇÃO

Paula, de Isabel Allende | Resenha

Começar um livro sobre uma mãe que aguarda a morte de sua filha doente ao seu lado é algo que pode ser impensável para muitos. Temos nossos limites em conhecer o sofrimento do outro, mas a verdade é que esse livro não trata apenas da tristeza e do medo de uma perda irreparável.

NOTA 10/10

FICÇÃO

NOTA 10/10

Tudo é rio, de Carla Madeira | Resenha

“Tudo é rio” é surpreendente! E isso por diversos motivos. Em seu romance de estreia, a autora mineira revela uma escrita encantadora, entregando ao leitor uma obra poética, instigante e ardente. É uma narrativa simples e, ao mesmo, densa, que vai te deixar com vontade de sair marcando várias passagens.

Dalva e Venâncio formam um casal preenchido, em que a falta não é sentida. Mas é justamente a partir da chegada de mais um na vida desses dois, que uma tragédia acontece e os sentimentos mais conflituosos tomam conta de seus pensamentos. É como se apesar de completos, Venâncio – de forma doentia – não pudesse tolerar qualquer excesso.

E em paralelo, surge a figura de Lucy, uma prostituta que satisfaz e é atração dos homens da cidade. A mulher se gaba do prazer que sente com seus clientes e da capacidade de enfeitiçar um por um. A situação muda, no entanto, quando Lucy se vê ignorada e até mesmo rejeitada por Venâncio.

E é a partir da revelação do passado de cada um desses personagens que Carla Madeira vai criando uma narrativa com um ritmo impressionante. É no meio de sangue, sêmen, suor e lágrimas que o leitor se vê preso à correnteza das palavras da autora. São capítulos curtos, em que Lucy, Carla e Venâncio te impedem de parar.

Terminei a leitura com aquela vontade de sair falando para todo mundo: leiam “Tudo é rio”, leiam Carla Madeira! E, apesar de ser mera coincidência, publicar uma resenha nota 10 de uma obra escrita por autora nacional contemporânea em pleno dia da mulher só deixa mais evidente o quanto perdemos por conta de um mercado editorial que ainda resiste em valorizar escritoras brasileiras.

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Campos obrigatórios são marcados*.

Nome*:

Email*:

Comentário*

Carol Spieker disse:

A atendente de uma livraria me falou tão bem dessa obra que já está no topo da lista dos desejos.

Veja também

FICÇÃO

O conto da ilha desconhecida, de José Saramago | Resenha

Eita, falar de Saramago para mim não é fácil, porque sei que vou ficar lançando um elogio atrás do outro. E sempre que vou recomendar algum livro desse gênio para alguém, eu já faço um alerta: a leitura é densa e exige tempo. Tempo para aproveitar e digerir a habilidade que Saramago tem com as palavras e com a língua portuguesa. E quando me perguntam por qual livro começar, falo sem dúvidas: “O conto da ilha desconhecida”.

NOTA 9/10

FICÇÃO, LIVROS

Pão de açúcar, de Afonso Reis Cabral | Resenha

Com apenas 30 anos, o escritor português venceu o Prêmio Saramago com este livro que, de forma gradual, insere o leitor no cenário de um crime chocante e muito dolorido. O fato histórico sobre o qual o romance é construído é verídico: em 2006, Gisberta, uma transexual brasileira, foi torturada e morta por jovens, na cidade de Porto, em Portugal.

NOTA 8,5/10