Veja também

DIVERSOS

O olho mais azul, de Toni Morrison | Resenha

A literatura é uma poderosa ferramenta de empatia. Ela nos permite enxergar situações corriqueiras a partir de perspectivas que são totalmente estranhas à nossa realidade e que nunca teríamos acesso se não fosse por meio dos livros. E terminar a leitura dessa obra apenas confirma esse seu papel...

NOTA 9,5/10

DIVERSOS, FICÇÃO

A ilha, de Aldous Huxley | Resenha

Após sofrer um naufrágio, Will Farnaby acaba sendo arrastado para a costa de Pala, uma ilha por ele totalmente desconhecida. Aos poucos, o personagem vai descobrindo que os habitantes da ilha vivem guiados por regras que fogem muito da realidade em que vivemos...

NOTA 9/10

FICÇÃO

NOTA 9/10

Oryx e Crake, de Margaret Atwood | Resenha

Da mesma autora do best-seller “O conto da Aia”, este livro é o primeiro de uma trilogia que compartilha o mesmo cenário: um futuro não tão distante, em que o conceito de civilização desapareceu. O planeta passou a ser habitado por criaturas pouco convencionais e fruto de manipulações genéticas. É no meio desse ambiente distópico que Atwood nos apresenta o personagem principal da história, conhecido como Homem das Neves, que se apresenta como o último ser humano. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Os capítulos vão se alternando entre o momento presente, em que acompanhamos o dia a dia desse personagem solitário, e o passado, quando o Homem das Neves ainda era conhecido como Jimmy, um garoto comum, com uma vida aparentemente normal. Com o desenrolar da narrativa, a autora vai, aos poucos, desvendando os acontecimentos que levaram Jimmy a um cenário pós-apocalíptico. O livro é preenchido de mistérios, que incluem até o próprio título da obra. Qual seria a relação do Homem das Neves com Oryx e Crake?

Se engana o leitor que espera encontrar uma narrativa simples, em que a curiosidade pelos próximos acontecimentos é o que nos faz continuar lendo. Assim como em seus outros romances, Atwood constrói um personagem complexo e conflituoso, que ainda se vê acorrentado a fatos do seu passado. A trajetória do personagem também esbarra em diferentes temáticas sensíveis, como limites da ciência, relações familiares conturbadas, exploração sexual infantil e valores da nossa sociedade atual. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
A imersão mais profunda nos pensamentos dos personagens nos traz uma escrita mais densa e não tão fluida, mas não que isso represente um ponto negativo, pelo contrário: é uma das características que fazem os romances distópicos de Atwood se destacarem. Um livro atual e que caminha sobre uma linha tênue entre realidade e ficção.

Quero saber, alguém já leu? Gostaram?

Se gostou da resenha e quer comprar o livro, basta clicar AQUI!

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Campos obrigatórios são marcados*.

Nome*:

Email*:

Comentário*

Veja também

DIVERSOS

O fim de Eddy, de Édouard Louis | Resenha

Romance autobiográfico que fez bastante sucesso na França, “O fim de Eddy” retrata as dificuldades e conflitos internos vividos por um garoto que ainda questiona a sua sexualidade...

NOTA 8/10

DIVERSOS

Meu pequeno país, de Gaël Faye | Resenha

Se eu pudesse resumir esse livro em apenas um frase, seria: a dureza da guerra na perspectiva de uma criança. Gabriel, um narrador de apenas 10 anos, nos transporta para a guerra civil que assolou Ruanda, no início de 1992...

NOTA 8,5/10