Veja também

FICÇÃO, LIVROS

Mandíbula, de Mónica Ojeda | Resenha

ais periféricos do mercado editorial. É importante valorizar quando editoras fazem esse movimento de trazer obras pouco conhecidas, o que é o caso de “Mandíbula”, da equatoriana Mónica Ojeda, que agora povoa as livrarias após a publicação da @autentica.contemporanea !

NOTA 7/10

FICÇÃO, LIVROS

A cabeça do santo, de Socorro Acioli | Resenha

Quando o assunto é literatura, tem duas coisas que amo: Gabriel García Márquez e realismo mágico (obras que contêm uma visão realística do mundo, mas com elementos mágicos). A obra da autora brasileira Socorro Acioli reúne os dois, tendo desenvolvido “A cabeça do santo” em uma oficina ministrada por ninguém menos que o incrível Gabo (apelido para os íntimos, hehe).

NOTA 9/10

CLÁSSICOS

NOTA

Lendo mais clássicos | Dica de leitura

A metamorfose”, de Franz KafKa, é inegavelmente um clássico: trata de sentimentos humanos atemporais. É a angústia e o desprezo sentidos por Gregor Samsa, um jovem caixeiro viajante que, de um dia para o outro, se vê transformado em um asqueroso inseto. São sensações de um personagem que vão muito além das páginas, atingindo o leitor e deixando uma marca que poucos livros conseguem deixar.

E pensar que, há três anos, até descobrir e ser influenciado por perfis literários nas redes sociais, eu era um leitor cheio de preconceitos literários. Um deles era justamente contra os clássicos. Tinha aquela ideia errada de que seriam livros antigos, difíceis de ler e meio enfadonhos (uma herança das leituras para o vestibular). Mas foi com a ajuda desses perfis literários – que muito inspiraram o @book.ster – que eu decidi sair da minha “zona de conforto” e criar coragem para conhecer um pouco das obras tão comentadas… E a certeza que eu tenho a cada dia mais é a seguinte: como eu estava perdendo tempo ao não ler os clássicos! Eles chegaram a essa categoria por um grande motivo: conseguem dialogar com o leitor, independentemente do momento em que foram escritos. São sempre atuais e nos revelam muito sobre o ser humano.
E com essa minha paixão cada vez maior pelos clássicos, não há como não ficar animado com uma nova editora como a @antofagica no mercado! Criada para reeditar os clássicos de uma forma mais ousada e atraente para o público jovem, a @antofagica escolheu “A metamorfose” para ser a primeira obra de seu catálogo. A edição está incrível: capa dura; ilustrações incríveis e fiéis às sensações causadas por Kafka; vários textos de apoio… E se as próximas edições continuarem nesse padrão, vou ter que abrir um grande espaço aqui na minha estante só para a @antofagica!

P.S.: A editora também produz um conteúdo muito interessante e bem feito sobre o universo da literatura no canal do YouTube. Corre lá para conferir!

Quer comprar o livro? Basta clicar AQUI

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Campos obrigatórios são marcados*.

Nome*:

Email*:

Comentário*

Veja também

CLÁSSICOS, FICÇÃO

Rúdin, de Ivan Turguêniev | Resenha

Turguêniev foi o primeiro autor russo a se consagrar no ocidente e, por isso, suas obras costumam ser mais acessíveis. Inclusive, foi dele a primeira obra da literatura russa que li - “Pais e filhos” - e que logo entrou para a lista de livros favoritos da minha vida...

NOTA 9/10

FICÇÃO

Cloro, de Alexandre Vidal Porto | Resenha

Narrado a partir de um "personagem defunto", ao estilo machadiano de Brás Cubas,, “Cloro” é sobre a vida de um advogado bem-sucedido e típico pai de família, mas que passou seus dias atormentado pela sombra da sua sexualidade...

NOTA 8/10