Veja também

LIVROS, NÃO FICÇÃO

Pacientes que curam, de Julia Rocha | Resenha

Adoro livros que envolvem o universo médico e, por conta disso, já havia recebido várias indicações do livro da Julia Rocha, - mulher, negra, mãe, cantora e que, além de tudo isso, também é médica da família. Em textos curtos, a autora compartilha com os leitores a sua vivência como médica do Sistema Único de Saúde (SUS - aliás, viva o SUS!).

NOTA 9/10

FICÇÃO, LIVROS

Violeta, de Isabel Allende | Resenha

Já imaginou ler a história de alguém que nasceu em meio a gripe espanhola, na década de 20, e viveu para testemunhar o mundo paralisado pela pandemia em pleno 2020? Bom, é justamente essa linha de tempo contemplada por “Violeta” que, ainda por cima, conta com a escrita fantasiosa de Allende.

NOTA 9/10

DIVERSOS

NOTA 10/10

Do amor e outros demônios, de Gabriel García Márquez | RESENHA

Quando se fala em Gabriel García Márquez, os primeiros livros que nos vêm à cabeça são “Cem anos de solidão” e “O amor nos tempos do cólera”. É verdade, são duas obras incríveis e que merecem todo reconhecimento! No entanto, esse ano “descobri” as obras mais curtas de Gabo, mas que em nenhum aspecto deixam a desejar… Pelo contrário: “Do amor e outros demônios” foi uma leitura muito prazerosa, daquelas que eu não queria largar. Em menos de 200 páginas, e se valendo do seu característico realismo mágico, o autor consegue construir uma narrativa intensa e que deixa marcas. Uma escrita econômica, mas bastante rica e impactante.
Logo nas primeiras páginas, descobrimos que a inspiração para o livro veio de uma reportagem acerca do túmulo de uma jovem garota, que o autor cobriu em 1949, quando ainda era um jovem jornalista. A partir disso, Gabo retorna para a Colômbia colonial e escravocrata do fim do século XVIII para narrar a triste história de Sierva Maria, uma garota que desde o nascimento era indesejada pelos pais. Foi criada junto com os escravos e, com eles, aprendeu os costumes e cultura originários da África. Como dizia a própria mãe, “a única coisa que essa guria tem de branca é a cor”.
E a vida de Sierva Maria se transforma quando é mordida por um cão raivoso. Com a suspeita da raiva – posteriormente confundida com uma possessão demoníaca – a garota é submetida aos mais diversos tratamentos, até ser deixada em um Convento.
Eu gostei MUITO do livro porque, além de um enredo interessante, desperta reflexões sobre escravidão, relações familiares, papel da igreja e o poder dos sentimentos humanos, até porque, o amor é um demônio, como sugere o título?
Por fim, deixo aqui uma dica: esse livro pode ser uma boa forma de iniciar as obras do autor antes de se aventurar por seus romances mais conhecidos, porém mais densos.

Trecho: “Tentou ensiná-la a ser branca de lei, a restaurar para ela seus sonhos fracassados de nobre nativo, de tirar-lhe o gosto pela iguana em escabeche e pelo ensopado de tatu. Tentou quase tudo, menos indagar de si mesmo se aquele era o modo certo de fazê-la feliz.”

Editora: Record

Ano de publicação: 1994

Número de páginas:  192

Link de compra: https://amzn.to/2F7LDWI

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Campos obrigatórios são marcados*.

Nome*:

Email*:

Comentário*

Veja também

DIVERSOS

Leituras do ano | 2018

O ano está chegando ao fim e, assim como em 2017, quero compartilhar os Top 5 livros do ano! A seleção não foi nada fácil, já que li MUITA coisa boa nesse ano.

NOTA

DIVERSOS

Não me abandone jamais, Kazuo Ishiguro | RESENHA

Vencedor do Prêmio Nobel de literatura de 2017, Ishiguro é conhecido por sua escrita sensível, mesclando a realidade com a fantasia. Apesar de ter gostado da primeira obra que li do autor (“O gigante enterrado”), o escolhido para o mês de novembro do #DesafioBookster2018 não me agradou!

NOTA 5,5/10