Veja também

DIVERSOS

Quem matou meu pai, de Édouard Louis | Resenha

Um manifesto literário e íntimo. Com menos de 100 paginas, Édouard Louis constrói um texto híbrido, que combina críticas sociais à desigualdade e à sociedade opressora em que vivemos, com suas memórias, em especial a sua conturbada relação com seu pai, que não aceitava um filho gay. Se a autoaceitação de uma pessoa da comunidade LGBTQIA+ já é um processo difícil e dolorido, enfrentar esses medos com a repulsa familiar é uma tarefa muito mais sofrida.

NOTA 9/10

DIVERSOS

Uma história desagradável, de Fiódor Dostoiévski | Resenha

Diferentemente do seus romances mais densos, que se aprofundam nos conflitos e angústias dos personagens, “Uma história desagradável” é uma obra curta e que revela um Dostoiévski mais cômico e menos psicológico. E o que começa com uma premissa bem humorada, acaba levando para um desenvolvimento desagradável - para não dizer caótico.

NOTA 9/10

DIVERSOS

NOTA 8/10

Meu irmão, eu mesmo, de João Silvério Trevisan | Resenha

Uma leitura impactante de um dos grandes nomes da luta pelos direitos da comunidade LGBTQIA+. Em seu último livro, Trevisan constrói um relato autobiográfico que vai além de temas ligados à sexualidade. A sua relação com seu irmão mais novo, Claudio, é o enfoque da obra, que ainda atravessa as dores da perda e a consciência da proximidade da morte.

Era Trevisan que deveria ter deixado suas lembranças na memória do irmão, já que o autor tinha sido surpreendido com a descoberta da infecção pelo vírus HIV. No início da década de 90, depois de ver tantas pessoas próximas partirem, Trevisan acreditava que aquela notícia seria uma sentença do fim dos seus dias. No entanto, seu irmão, por quem tinha uma linda relação de amizade e acolhimento, se torna vítima fatal de um câncer, antes mesmo de completar 50 anos.

Essa perda crava cicatrizes nunca esquecidas no autor, que compartilha em seu último lançamento todo o seu processo de luto e os últimos momentos com seu irmão. Mesmo quem nunca sentiu esse vazio causado por uma falta tão importante, vai compreender a angústia de Trevisan.

E as dificuldades de ser um homem gay nas décadas passadas, assim como todo o estigma – e ignorância – que recai sobre pessoas que vivem com o vírus HIV também são denunciados de forma muito aberta em “Meu irmão, eu mesmo”. Apesar se ser um livro voltado para a sua história com Claudio, o autor aborda muito de suas memórias e vivências na solidão de não se encaixar em uma sociedade preconceituosa.

Um livro importantíssimo pelas temáticas que aborda, de uma forma verdadeira e corajosa. Valorizar um autor nacional como João Trevisan é necessário quando pensamos em uma literatura mais diversa.

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Campos obrigatórios são marcados*.

Nome*:

Email*:

Comentário*

Veja também

DIVERSOS

Não fossem as sílabas do sábado, de Mariana Salomão Carrara | Resenha

A segunda obra que leio da jovem autora paulistana me confirmou o que venho dizendo há um tempo: Mariana Salomão Carrara é uma das mais promissoras autoras contemporâneas que temos. Gosto muito de sua capacidade de mergulhar nas emoções e relações humanas, sempre caminhando pelo tema do luto.

NOTA 9/10

DIVERSOS

Dois irmãos, de Milton Hatoum | Resenha

Milton Hatoum é um dos mais importantes autores contemporâneos nacionais. No entanto, até pouco tempo, nunca havia lido uma obra sua. Recebia com frequência alguma indicação sua e Dois irmãos estava na minha lista há um bom tempo. E que bom que eu resolvi tirar ele da estante… Adorei a leitura!

NOTA 10/10