Veja também

FICÇÃO, LIVROS

Wolf Hall, de Hilary Mantel | Resenha

Quando pensamos em Henrique VIII, é difícil não lembrar das polêmicas e jogos políticos que preencheram o seu reinado.

NOTA 8,5/10

FICÇÃO, LIVROS

Identidade, de Nella Larsen | Resenha

Publicado em 1929, o livro narra a historia de duas amigas de infância, Irene e Clare, que acabam tomando rumos diferentes.

NOTA 8/10

Desafio Bookster

NOTA

#DesafioBookster2020 | Outubro

Mês: Outubro⁣
Temática: Humor e Ironia⁣
Livro escolhido: “Fun Home”, de Alison Bechdel⁣⁣
⁣⁣⁣⁣
Estava animado para esse mês! Depois de tantos livros intensos e que mexeram fortemente com nossas emoções, o que é tão recorrente na literatura, chegamos no momento de escolher um livro que carregue um pouco de humor em suas páginas. Mas não se animem tanto, até porque a gente não consegue deixar as temáticas sensíveis de lado. Acabei escolhendo uma obra tragicômica e, mais que isso, uma história em quadrinhos. Isso é bom para quem tem aquela velha – e equivocada – ideia de que HQs são apenas para o público infantil. Pelo contrária: Maus e Persépolis, por exemplo, foram dois livros que me marcaram muito! E, assim como essas duas obras, Fun Home sempre aparecia nas indicações de vocês quando eu pedia dicas de HQs. ⁣

“Fun Home”, de Alison Bechdel, é uma HQ bastante aclamada e considerada um marco dos quadrinhos autobiográficos. Pouco depois de contar para a família que é lésbica, Bechdel revere a notícia de que seu pai morreu em circunstâncias que podem indicar suicídio. Na história, a autora vai explorar a relação que teve com o pai com muito humor, além de mostrar também sua trajetória desde a infância. Ela trata desde os tempos em que cresceu na funerária da família até a juventude onde se encontrou nos livros e na arte. “Fun Home” foi eleito o livro do ano de 2015 pela revista Time e também foi transformado em um musical da Broadway. ⁣

Foi difícil escolher outras dicas, já que não conheço tantos livros nesse gênero. Deixem suas dicas por aqui! De qualquer forma, para quem preferir outra escolha, seguem algumas indicações: “Tudo pode ser roubado”, de Giovana Madalosso; “Adulta sim, madura nem sempre”, de Camila Fremder; “Depois a louça sou eu”, de Tati Bernardi; “História dos meus dentes”, de Valeria Luiselli; “Cadê você, Bernadette?”, de Maria Semple. ⁣
⁣⁣⁣⁣

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Campos obrigatórios são marcados*.

Nome*:

Email*:

Comentário*

Veja também

LIVROS, NÃO FICÇÃO

Talvez você deva conversar com alguém, de Lori Gottlieb | Resenha

Se você leu o título do livro e achou que essa é mais uma obra que segue aquela antiga fórmula de autoajuda, com diversos exemplos e repetidas frases de efeito, você está totalmente enganado.

NOTA

FICÇÃO, LIVROS

A mão esquerda da escuridão, de Ursula K. Le Guin | Resenha

 A premissa desse livro é muito interessante, sobretudo quando consideramos as temáticas por ele abordadas e a época em que foi lançado, em 1969.

NOTA