Veja também

DIVERSOS

A vida pela frente, de Émile Ajar (pseudônimo de Romain Gary) | Resenha

Sabe quando você resolve ler um livro ao acaso, furando toda a fila de leituras programadas sem saber muito o porquê? Isso aconteceu com essa leitura, que comecei logo antes da minha última viagem...

NOTA 9,5/10

CLÁSSICOS

“Frankenstein – o Prometeu moderno”, de Mary Shelley | Resenha

Pioneiro da literatura de horror e ficção científica, o livro publicado em 1818 ganhou diversas adaptações para as telas. E é aí que acaba vindo a surpresa...

NOTA 10/10

Desafio Bookster

NOTA

#DesafioBookster2020 | Março

#DesafioBookster2020

Mês: Março
Gênero: Clássico
Livro escolhido: “O quinze”, de Rachel de Queiroz

Tenho certeza que muitos de vocês imaginaram que eu escolheria um livro da Jane Austen, Simone de Beauvoir ou das irmãs Brontë. Mas por que não escolher um livro escrito por uma autora nacional, um clássico para a literatura brasileira? Na verdade, o que faz de um livro um clássico?

Antes de mergulhar um pouco mais nesse mundo da literatura, tinha a falsa ideia de que um clássico seria aquele livro muito famoso, conhecido por todo mundo e ensinado nas escolas. Mas a verdade é que eu nunca tinha parado para pensar por qual motivo aquele livro se diferenciava dos demais. Quando falamos nesse tema, gosto muito de lembrar da definição de Italo Calvino: clássicos são aquelas obras atemporais. Em outras palavras, clássicos são aqueles livros que vão fazer sentido para o leitor independentemente da época ou local em que ele foi escrito. E isso porque são livros que vão tratar de temas universais, em especial sobre a condição humana. É por isso que, ao ler um clássico do séc. XVII, por exemplo, ainda nos identificamos com os sentimentos e questionamentos dos personagens construídos pelo autor.
Portanto, resolvi escolher um livro nacional para mostrar que não precisamos pensar em literatura estrangeira para escolher um clássico. Clássico não é necessariamente aquele livro conhecido por todos, mas sim um livro que vai além do seu tempo. E a obra “O quinze”, de Rachel de Queiroz, é conhecida justamente por isso: tratar do ser humano. Não é apenas a história do povo sertanejo que sofre com a seca que assolou o Nordeste brasileiro em 1915, como traz a sinopse. A obra promete descrever a condição humana em situações extremas de pobreza e busca pela sobrevivência.

Para quem preferir outra escolha, seguem algumas indicações: “Orgulho e preconceito”, de Jane Austen; “A casa dos espíritos”, de Isabel Allende; “A hora da estrela”, de Clarice Lispector: “A cor púrpura”, de Alice Walker; “O sol é para todos”, de Harper Lee; e “Jane Eyre”, de Charlotte Brontë.

Lembrando que se você não conhece o desafio, corre lá no destaque dos stories!

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Campos obrigatórios são marcados*.

Nome*:

Email*:

Comentário*

Veja também

DIVERSOS

Léxico familiar, de Natalia Ginzburg | Resenha

Hoje em dia, quando se fala em escritora italiana, logo pensamos no sucesso Elena Ferrante. No entanto, a voz feminina na literatura italiana começou muito antes, com as obras de Natalia Ginzburg...

NOTA 8/10

DIVERSOS

Úrsula, de Maria Firmina dos Reis | Resenha

A importância histórica dessa obra já é, por si só, suficiente para que você a leia: publicado em 1859, “Úrsula” é considerar o primeiro romance de autoria negra e feminina publicado no Brasil...

NOTA 7,5/10