Veja também

LIVROS, NÃO FICÇÃO

Pacientes que curam, de Julia Rocha | Resenha

Adoro livros que envolvem o universo médico e, por conta disso, já havia recebido várias indicações do livro da Julia Rocha, - mulher, negra, mãe, cantora e que, além de tudo isso, também é médica da família. Em textos curtos, a autora compartilha com os leitores a sua vivência como médica do Sistema Único de Saúde (SUS - aliás, viva o SUS!).

NOTA 9/10

FICÇÃO, LIVROS

Violeta, de Isabel Allende | Resenha

Já imaginou ler a história de alguém que nasceu em meio a gripe espanhola, na década de 20, e viveu para testemunhar o mundo paralisado pela pandemia em pleno 2020? Bom, é justamente essa linha de tempo contemplada por “Violeta” que, ainda por cima, conta com a escrita fantasiosa de Allende.

NOTA 9/10

DIVERSOS

NOTA

Abandonar ou não um livro?

E ai, você abandona um livro quando não está gostando? Para mim, a resposta é muito fácil. Mas sinto que há um receio geral de abandonar um livro de forma consciente. E digo consciente, porque não estou falando de deixar aos poucos uma leitura de lado, o que acontece principalmente quando você não tem o hábito da leitura. Esse post é sobre tomar a decisão de simplesmente não continuar um livro, colocá-lo na estante com o marcador no meio, e partir para o próximo.

Tem quem não consiga desistir de uma obra, como se isso significasse que não conseguiu ler o livro ou como se a leitura fosse melhorar a qualquer momento.
Eu já superei essa sensação de “culpa” por abandonar uma livro. Na verdade, tem TANTA coisa boa que eu quero ler, que a culpa é justamente por ficar perdendo tempo com uma obra que não está me agradando. E não estou dizendo para você sempre abandonar uma leitura depois de algumas páginas mais paradas! Acho que um livro pode ter momentos melhores e piores, então para poder tomar essa escolha você tem que dar uma ou duas chances antes! Eu costumo colocar um critério objetivo de ler ao menos 100 páginas do livro. Na minha opinião, a partir desse ponto você já consegue ter uma ideia melhor da proposta do autor.

Antes de abandonar, também costumo procurar na internet comentários de outras pessoas sobre a obra. É bem provável que alguém tenha tido a mesma opinião que você e, assim, pode confirmar se esse “problema” melhora ao longo do livro.
Ah, e acho que um dos aspectos mais interessantes da leitura é justamente como cada livro vai despertar uma sensação diferente em cada leitor. Por isso, não sinta culpa se você quer abandonar um livro que todo mundo amou ou vice-versa. A experiência com a obra é muito pessoal.

Atualmente acabo abandonando cada vez menos livros. A resposta é simples: a escolha da próxima leitura é mais criteriosa, então as chances de “dar errado” são menores (mas existem)!

Os últimos livros que abandonei foram “120 dias de sodomia”, Marquês de Sade; “Caixa-preta”, Amós Oz; e “O pintassilgo”, Donna Tart (tem um post com resenha de cada, explicando minha experiência)!
E vocês, já abandonaram um livro? Qual?

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Campos obrigatórios são marcados*.

Nome*:

Email*:

Comentário*

alexandre cincinato disse:

Sim, abandonei o livro “Últimos Pedidos”, de Graham Swift, publicado aqui no Brasil em 1999. Tradução de José Antônio Arantes. Não cogitei desfazer do volume nesse meio tempo entre a aquisição, em 2007 e 2015. O motivo: ouvi o Ivan Lessa citar longamente a obra no programa da Rádio CBN o “Certas Palavras” que era transmitido dentro das madrugadas paulistanas. Ivan Lessa tinha essa “coluna” chamada “Livros e Autores”, que eu gravei numa fita cassette (k-7), provavelmente em 1999. O movimento do texto executou um adestramento de minha capacidade da apreensão da estória narrada pelo José Antônio Arantes. Concluída a leitura fiquei às voltas com este momento literário por muitos meses.

Veja também

LIVROS

Pais e filhos, Ivan Turgueniev | Resenha

Russos: cada nova leitura, uma surpresa boa! Não foi diferente com Turgueniev. "Pais e filhos” está na minha lista de livros favoritos!

NOTA 10/10

LIVROS

The Underground Railroad – Os caminhos para a liberdade, Colson Whitehead | Resenha

Depois de ter sido vencedora do Pulitzer Prize e elogiada por Barack Obama, a obra de Whitehead disparou na lista dos mais vendidos.

NOTA 7,5/10